Ações de segurança no Turismo de Aventura: um estudo no Parque Estadual Dunas de Natal

Autores

  • Frank Ilton Pereira Xavier Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Jessyca Rodrigues Henrique Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Érica Dayane Chaves Cavalcante Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Guilherme Bridi Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Marcela Martins Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.34024/rbecotur.2024.v17.15178

Palavras-chave:

Turismo de Aventura; Segurança; Caminhada; Trilhas; Parque das Dunas.

Resumo

O turismo de aventura é um segmento que envolve atividades recreativas e não competitivas, promovendo emoções na execução de suas modalidades. Está em crescimento no país, e necessita ser pensado e organizado para viabilizar o máximo de segurança aos seus praticantes. Este trabalho tem como objetivo analisar as ações de segurança no turismo de aventura adotadas pelo Parque Estadual Dunas de Natal. A pesquisa foi realizada através de um estudo de caso com atores envolvidos na gestão de atividades de aventura do parque e observação de campo. O instrumento de coleta foi do tipo entrevista, elaborado a partir das normas de Gestão de Segurança para o Turismo de Aventura da Associação Brasileira de Normas Técnicas. Já os dados foram analisados com o uso da técnica de análise de conteúdo. Após análise, entende-se que o parque dispõe de um produto que está amparado de forma adequada, tendo em vista os equipamentos e profissionais que atuam para uma melhor experiência dos visitantes. Dentre as ações identificadas, verifica-se que são indicados os usos de equipamentos de segurança pelo condutor e visitante, e que as trilhas são executadas com o suporte de segurança ambiental; além disso, são repassadas instruções sobre a segurança do participante e das trilhas, além de ações necessárias em caso de acidentes. Nota-se que apesar do parque estar com suas trilhas seguras, existe a necessidade de mais sinalizações informativas sobre a segurança do local. Recomenda-se a atualização do Plano de Manejo, pois a falta de atualização pode levar ao uso inadequado em relação à capacidade de carga das atividades sobre as trilhas e comprometendo a sustentabilidade a longo prazo. Concluiu-se que apesar de algumas limitações, as trilhas são seguras para serem utilizadas pela população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Frank Ilton Pereira Xavier, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Bacharel em Turismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. 

Jessyca Rodrigues Henrique Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutoranda e Mestre em Turismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Bacharel em Turismo pela mesma instituição. Profa. Colaboradora do Curso de Turismo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Érica Dayane Chaves Cavalcante, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutora e Mestre em Administração pela Universidade Federal da Paraíba. Graduada em Hotelaria pela mesma instituição. Atualmente é Profa. do Curso de Turismo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Guilherme Bridi, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutor em Desenvolvimento Regional pela Universidade de Santa Cruz do Sul - (UNISC) e Mestre e Bacharel em Turismo pela Universidade de Caxias do Sul (UCS). Prof. do Curso de Turismo e do Programa de Pós-Graduação em Turismo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.  

Marcela Martins Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutora e Mestre em Turismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Graduada em Turismo pela Estácio de Sá. Professora do Curso de Turismo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. 

Referências

ABETA - Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura. Normas técnicas ABNT Turismo de Aventura 2021. ABETA, 2021.

ABNT NBR 21101.2014. Turismo de aventura - sistemas de gestão de segurança: requisitos. 2014.

ABNT NBR 15505-1. Turismo de Aventura - Caminhada Parte 1: requisitos para produtos. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas, 2020.

ALVES, M. S.; DE-BORTOLI, A. L.; KIRST, F. V.; MESSIAS, S. M. C.; DE-BORTOLI, R. Normalização do ecoturismo e turismo de aventura no Brasil. Revista Brasileira de Ecoturismo. v. 9, n. 3, p. 433-444, 2016.

BANDEIRA, A. S; SANTOS, S. C. C. A segurança no turismo de aventura. Anais IV Encontro Internacional de Jovens Investigadores. 2019. Disponível em: <https://editorarealize.com.br/editora/anais/join/2019/TRABALHO_EV124_MD1_SA58_ID1616_22082019133531.pdf>. Acesso em: 22 mai. 2023.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1994. 225 p.

BENTLEY, T.; PAGE, S.; MAYER, D.; CHALMERS, D.; LAIRD, I. How safe is adventure tourism in New Zealand? an exploratory analysis. Applied Ergonomics. v. 32, n. 4, p. 327-338, 2001.

BENTLEY, T. A.; PAGE, Stephen J. A decade of injury monitoring in the New Zealand adventure tourism sector: a summary risk analysis. Tourism Management. v. 29, n. 5, p. 857-869, 2008.

BRASIL. Lei N° 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm>. Acesso em: 23 mai. 2023.

BRASIL. Ministério do Turismo. Regulamentação, normalização e certificação em turismo de aventura. Brasília: Ministério do Turismo, 2005.

BRASIL. Decreto nº 7.381 de 2 de dezembro de 2010a. Regulamenta a Lei nº 11.771 da Política Nacional do Turismo. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7381.htm>. Acesso em: 22 mai. 2023.

BRASIL. Ministério do Turismo. Turismo de aventura: orientações básicas. 3. ed. Brasília: Ministério do Turismo. 2010b.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Com mais de 16,7 milhões de visitantes, unidades de conservação federais batem novo recorde. 2022. Disponível em: <https://www.gov.br/mma/pt-br/assuntos/noticias/com-mais-de-16-7-milhoes-de-visitantes-unidades-de-conservacao-federais-batem-novo-recorde>. Acesso em: 10 mai. 2022.

BUCKLEY, R. Draft principles for tourism in protected areas. Journal of Ecotourism. v. 1, n. 1, p. 75-80, 2002.

BUZATTO, L.; KUHNEN, C. F. C. Trilhas interpretativas para a educação ambiental. Revista Vivências. v. 16, n. 30, 219-231, 2020.

CAVASINI, R.; ANNES, A. P.; KSSESINSKI, J. L.; BREYER, R. F. Gestão de riscos de atividades ao ar livre durante a pandemia de COVID-19: um relato de experiência. Revista Thema. 2020.

CORIOLANO, L. N. M. T.; MORAIS, E. O. Desvendando caminhos do turismo de aventura no Brasil. Revista Iberoamericana de Turismo. São Paulo, 2011.

ERDTMANN, B. K.; ALVES, J.; DE CESARO, L. H.; MENDES, M.; SCHMIDT, T. P.; ZILIOTTO, T. I.; DE AGUIAR, J. M. Trilha sensitiva: os limites da percepção sobre um olhar humanizado. Cidadania em Ação: Revista de Extensão e Cultura, Florianópolis, v. 8, n. 1, p. 164-175, 2014.

ENEGUEL, C. A.; ETCHEBEHERE, M. L. C. Parques Nacionais no Brasil e a prática do turismo sustentável. Revista Hospitalidade. v. 8, n. 1, p. 78-94, 2011.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Joice Elias Costa. Porto Alegre: ARTMED, 2009.

G1 RN. IDEMA denuncia ação de pessoas que invadem Parque das Dunas para fazer trilhas clandestinas. Disponível em: <https://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/2020/01/07/idema-denuncia-acao-de-pessoas-que-invadem-parque-das-dunas-para-fazer-trilhas-clandestinas.ghtml>. Acesso em: 19 dez. 2022.

GOVERNO DO ESTADO DO RN. Parque das Dunas – apresentação. 2015. Disponível em: <http://www.parquedasdunas.rn.gov.br/Conteudo.asp?TRAN=ITEM&TARG=6393&ACT=&PAGE=0&PARM=&LBL=Apresenta%E7%E3o>. Acesso em 22 mai. 2023.

ICMBio - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Plano de Manejo de RPPN. s.d. Disponível em:<https://www.gov.br/icmbio/pt-br/servicos/servicos-do-icmbio-no-gov.br/crie-sua-rppn/plano-de-manejo-de-rppn#:~:text=O%20plano%20de%20manejo%20(PM,f%C3%ADsicas%20necess%C3%A1rias%20%C3%A0%20gest%C3%A3o%2C%20conforme>. Acesso em: 22 mai. 2023.

IDEC - Instituto de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte. Plano de Manejo do Parque Estadual Dunas de Natal. 1989. Disponível em: <http://adcon.rn.gov.br/ACERVO/ParqueDasDunas/DOC/DOC000000000223311.PDF>. Acesso em: 22 mai. 2023.

IMBODEN, A. Between risk and comfort: representations of adventure tourism in Sweden and Switzerland. Scandinavian Journal of Hospitality and Tourism. v. 12, n. 4, p. 310-323, 2012.

INSTITUTO ECOBRASIL. Turismo Aventura. 2016. Disponível em: <http://www.ecobrasil.provisorio.ws/turismo/turismo-aventura>. Acesso em: 10 de mai. 2022.

LOPES-RICHARD, V.; CASSIANO, A. M.; AGUIAR, R. J. S. Abordagem integradora para implementação de um sistema de gestão de segurança e impactos de visitação em áreas naturais protegidas. Revista Turismo em Análise. v. 31, n. 3, p. 597-618, 2020.

MARTINS, G. A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para Ciências Sociais Aplicadas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2016.

MELO, S. M. C.; AGUIAR, E. P. S. Turismo de aventura em Taquaruçu – TO: atividades de risco. Revista Turismo – Visão e Ação. v. 18, n. 2, p. 280-299, 2016.

MLOZI, S.; PESÄMAA, O. Adventure tourist destination choice in Tanzania. Current Issues in Tourism. v. 16, n. 1, p. 63-95, 2013.

MOTA, A. M. G.; VILKAS, A. C.; WADA, E. K.; SANTOS, M. F. Turismo de aventura acessível. Podium Sport, Leisure and Tourism Review, v. 3, n. 1, p. 61-73, 2014.

NEVES, C. R. F.; COSTA, V. C. Avaliação Preliminar de Risco (APR) em atividades ecoturísticas na trilha do Pico da Tijuca, Parque Nacional da Tijuca (RJ). Revista Brasileira de Ecoturismo. São Paulo, v. 12, n. 5, p. 685-701, 2020.

RIBEIRO, E. C.; NASCIMENTO, C. R. T.; DUARTE, M. M.; NUNES, J. O. C.;

SILVA, E. S. Estudo do turismo na prática do esporte de aventura de voo livre no município de Patu (RN). Revista Científica Turismo & Cidades. v. 2, n. 4, p. 35-55, 2020.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1989.

SANTOS, M. A. J.; ALEXANDRE, M. L O.; FERREIRA, A. B. G.; RODRIGUES, J. G. V.; MOREIRA, S. A. Turismo pedagógico durante o lazer no Parque das Dunas em Natal (RN). Revista Brasileira de Ecoturismo. v., 12, n. 5, p. 887-905, 2019.

SANTOS, N. K. S. Turismo de aventura e a sua relação com a sustentabilidade: um estudo em Pipa/RN. 2019. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

SEMAD - Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento. Os grupos de unidades de conservação. 2018. Disponível em: <https://www.meioambiente.go.gov.br/acesso-a-informacao/118-meio-ambiente/unidades-de-conserva%C3%A7%C3%A3o/1304-os-grupos-de-unidades-de-conserva%C3%A7%C3%A3o.html>. Acesso em: 17 jul. 2022.

SILVA, A. H.; FOSSÁ, M. I. T. Análise de conteúdo: exemplo de aplicação da técnica para análise de dados qualitativos. Qualitas Revista Eletrônica. v. 17, n. 1, 2015.

STEIN, D.; ATHANÁSIO, B. B. M. Gestão da segurança no turismo de aventura no produto rafting: estudo de caso em uma agência de viagens receptiva no município de Três Coroas–Rio Grande do Sul. Revista de Administração de Empresas Eletrônica. n. 3, 2016.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Bookman Editora, 2005.

Downloads

Publicado

05/02/2024

Como Citar

Xavier, F. I. P. ., Silva, J. R. H., Cavalcante, Érica D. C. ., Bridi, G., & Silva, M. M. (2024). Ações de segurança no Turismo de Aventura: um estudo no Parque Estadual Dunas de Natal. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 17(2). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2024.v17.15178

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2023-06-06
Aceito: 2024-01-06
Publicado: 2024-05-02

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.