Monitoramento dos Impactos da Visitação no Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses

Autores

  • Danúbia Borges Melo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio

DOI:

https://doi.org/10.34024/rbecotur.2024.v17.15279

Palavras-chave:

Uso Público, Avaliação, Indicadores, LAC

Resumo

O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses (PNLM), unidade de conservação (UC) administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), está entre os principais destinos turísticos do país. Em 2021 foram mais de 280 mil visitas, sendo o sexto parque nacional mais visitado no Brasil. Uma visitação tão intensa gera impactos tanto sociais, como a geração de renda para a região, quanto biofísicos, como maior presença de resíduos sólidos nos atrativos. É papel da gestão das unidades de conservação executar ações de manejo para reduzir os impactos negativos e maximizar os impactos positivos, para isso é essencial identificar os impactos e onde ocorrem. Com o objetivo de aferir a condição atual dos indicadores de impactos causados pela visitação e utilizando a metodologia proposta no Protocolo para Monitoramento dos Impactos da Visitação no PNLM foi realizado o primeiro ciclo de monitoramento em setembro de 2022. O artigo apresenta os resultados de 4 indicadores sociais (Qualidade dos serviços, Qualidade da infraestrutura, Intensidade de Uso e Percentual de reclamações) e 4 biofísicos (Presença de lixo, Largura da Trilha, Quantidade de trilhas alternativas e Quantidade de desvios por km de trilha). Constatou-se que apenas 25% dos indicadores atenderam aos padrões estabelecidos, sendo que os indicadores sociais apresentaram melhores resultados que os biofísicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danúbia Borges Melo, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio

Analista Administrativa do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio e mestre em Biodiversidade em Unidades de Conservação pela Escola Nacional de Botânica Tropical - JBRJ (2023). Possui graduação em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda pela Universidade de Brasília (2010) e MBA em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas (2014). Tem experiência na área de Comunicação, Fiscalização de contratos administrativos, Administração Financeira Orçamentária e Gestão de Unidades de Conservação, com ênfase em Uso Público.

Referências

AMARAL, Y. T.; SANTOS, E. M.; RIBEIRO, M. C.; BARRETO, L. Landscape structural analysis of the Lençóis Maranhenses national park: implications for conservation. Journal for Nature Conservation, v. 51, 1 out. 2019.

BRASIL. Lei no 9.985 de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza SNUC. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9985.htm> Acesso em: 25 out. 2022.

CIFUENTES, M. et aI. Capacidad de carga turística de la reserva biológica Carara. San José, Servício de Parques Nacionales y Centro Agronómico Tropical de Investigación y Enseñanza. 1990.

DOS SANTOS, A. L. S. et al. Modelling Dunes from Lençóis Maranhenses National Park (Brazil): Largest dune field in South America. Scientific Reports, v. 9, n. 1, 1 dez. 2019.

HARDIN, G. The Tragedy of the Commons. Science. Vol. 162, Número 3859, p. 1243-1248, 1968.

HOSIER, P. E.; EATON, T. E. The Impact of Vehicles on Dune and Grassland Vegetation on a South-Eastern North Carolina Barrier Beach. Journal of Applied Ecology, v.17, n.1, p.173–182, 1980.

IBAMA. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Plano de Manejo do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. 2002. Disponível em: <http://www.icmbio.gov.br/parnalencoismaranhenses/planos-de-manejo.html>. Acesso em: 29 ago. 2022.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ma/barreirinhas/panorama>. Acesso em: 30 ago. 2022.

ICMBio. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Roteiro Metodológico para Manejo de Impactos da Visitação, com Enfoque na Experiência do Visitante e na Proteção dos Recursos Naturais e Culturais. Brasília, 2011. Disponível em: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/roteiros/Roteiro_Impactos_de_Visitacao_WEB.pdf>. Acesso em: 29 ago. 2022.

ICMBio. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Rol de Oportunidades de Visitação em Unidades de Conservação – ROVUC. 2ª Edição. Brasília, 2020. Disponível em: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/publicacoes-diversas/rovuc_rol_de_oportunidades_de_visitacao_em_unidades_de_conservacao.pdf>. Acesso em: 29 ago. 2022.

ICMBio Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Painel Visitação nas Unidades de Conservação (2000-2021). Disponível em: <https://app.powerbi.com/view?r=eyJrIjoiOGYyNjNhMzEtOTk2Ni00MzAyLThlM2QtMjAyMWEyN2RmZWMwIiwidCI6ImMxNGUyYjU2LWM1YmMtNDNiZC1hZDljLTQwOGNmNmNjMzU2MCJ9&pageName=ReportSection283706c1c8465c9672b0> Acesso em: 30 ago. 2022.

ICMBio. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Plano de Uso Público do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. Brasília, 2022. Disponível em: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/biodiversidade/unidade-de-conservacao/unidades-de-biomas/marinho/lista-de-ucs/parna-dos-lencois-maranhenses/copy_of_plano_uso_publico_pnlm.pdf>. Acesso em: 29 ago. 2022.

JANNUZZI, P. M. Considerações sobre o uso, mau uso e abuso dos indicadores sociais na formulação e avaliação de políticas públicas municipais. Revista de Administração Pública, v. 36, n. 1, p. 51 a 72-51 a 72, 2002.

KUTIEL, P.; EDEN, E.; ZHEVELEV, Y. Effect of experimental trampling and offroad motorcycle traffic on soil and vegetation of stabilized coastal dunes, Israel. Environmental Conservation, 27, pp 14-23, 2000.

LIMBERGER, P. F.; PIRES, P. dos S. A aplicação das metodologias de capacidade de carga turística e dos modelos de gestão da visitação no Brasil. Revista de Turismo Contemporâneo, v. 2, n. 1, p. 27–48, 2014.

LINDBERG, K.; MCCOOL, S.; STANKEY, G. Rethinking Carrying Capacity. Annals of Tourism Research, v. 24, n. 2, p. 461–465, 1997.

LOBO, A. C.; SIMÕES, L. L. Manual de Monitoramento e Gestão dos Impactos da visitação em Unidades de conservação. São Paulo: Secretaria de Meio Ambiente de São Paulo, 2009. Disponível em: http://arquivo.ambiente.sp.gov.br/publicacoes/2016/12/manualadeamonitoramentoaeagestoadosaimpactosadaavi.pdf>. Acesso em: 25 ago. 2022.

LUNA, M. C. M. DE M.; PARTELI, E. J. R.; HERRMANN, H. J. Model for a dune field with an exposed water table. Geomorphology, v. 159–160, p. 169–177, 15 jul. 2012.

MANNING, R.E. ‘Research to guide management of outdoor recreation and tourism in parks and protected areas’, Koedoe 56(2), Art. #1159, p. 7 v56i2.1159, 2014.

MELO, D. B. Protocolo para Monitoramento dos Impactos da Visitação no Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. 2023. 79f. TCC (Mestrado Profissional). Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro (JBRJ). Rio de Janeiro. 2023. Disponível em: <https://w2.solucaoatrio.net.br/somos/jbrj-mpenbt/index.php/pt/mestrado-profissional/dissertacoes-mestrado-profissional>. Acesso em: 15 jun. 2023.

MIRANDA, J. P.; COSTA, J. C. L.; ROCHA, C. F. D. Reptiles from Lençóis Maranhenses National Park, Maranhão, northeastern Brazil. ZooKeys, v. 246, p. 51–68, 2012.

NEWSOME, D. MOORE, S. A.; DOWLING, R. K. Natural area tourism: ecology, impacts and management. Clevedon, Grã-Bretanha: Channel View Publications, 2002.

PAIVA, B.C.A. Impactos ambientais em Unidades de Conservação: Parque Nacional de Anavilhanas na visão dos profissionais envolvidos com a visitação. Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v.12, n.1, pp.67-77, fev/abr 2019.

PIRES, P. S. “Capacidade de Carga” como paradigma de gestão dos impactos da recreação e do turismo em áreas naturais. Turismo em Análise, v. 16, n. 1, p. 5–28, 2005.

RODRIGUES, M. L. et al. Vascular flora of lençóis maranhenses national park, maranhão state, brazil: Checklist, floristic affinities and phytophysiognomies of restingas in the municipality of Barreirinhas. Acta Botanica Brasilica, v. 33, n. 3, p. 498–516, 1 jul. 2019.

ROMERO, A. L. MORATTA, M. A. H. DALMASSO, A. D. BARROS, A. Quad bike impacts on vegetation and soil physicochemical properties in an arid ecosystem, Acta Oecologica, Volume 97, Pages 14-22, 2019.

ROSS, H. T.; RODGER, K.; MOORE, S. A method for testing the effect of management interventions on the satisfaction and loyalty of national park visitors, Leisure Sciences, 38:2, 140-160, 2016.

STANKEY, G. H; COLE, D. N.; LUCAS, R. C.; PETERSEN, M. E.; FRISSELL, S. S. The Limits of Acceptable Change (LAC) System for Wilderness Planning. USDA Forest Service General Technical Report, INT-176. Ogden UT: Intermountain Forest and Experiment Station, 1985.

TALORA, D. C.; MAGRO, T. C.; SCHILLING, A. C. Trampling Impacts on Coastal Sand Dune Vegetation in Southeastern Brazil. Exploring the Nature of Management, p. 117, 2006.

Downloads

Publicado

05/02/2024

Como Citar

Melo, D. B. (2024). Monitoramento dos Impactos da Visitação no Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 17(2). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2024.v17.15279

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2023-06-30
Aceito: 2024-01-06
Publicado: 2024-05-02

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.