Ecoturismo como alternativa para a sustentabilidade do Parque Estadual do Cocó (CE)

Autores

  • Hermógenes Henrique Oliveira Nascimento Secretaria do Meio Ambiente (CE)
  • Ricardo Furtado Rodrigues Instituto Federal do Ceará, Departamento de Turismo, Hospitalidade e Lazer

DOI:

https://doi.org/10.34024/rbecotur.2024.v17.15974

Palavras-chave:

Unidades de Conservação, Políticas Públicas, Turismo Sustentável

Resumo

A relação entre homem e o meio ambiente torna-se cada vez mais complexa, cabe à sociedade buscar conhecimento e habilidade para que se possa preservar as Unidades de Conservação (UC). A presente pesquisa mostra que o desenvolvimento sustentável em áreas protegidas pode ser alcançado por meio do ecoturismo, pois esse segmento é considerado como fator importante no processo cultural, econômico, social e, principalmente, de preservação do meio ambiente. Nesse sentido, esse trabalho tem como objetivo analisar a importância do segmento do ecoturismo para a sustentabilidade do Parque Estadual do Cocó, no estado do Ceará, Brasil. Para isso, foi investigada a relevância dada ao ecoturismo e vertentes dessa atividade que envolvam as premissas do desenvolvimento sustentável. A abordagem metodológica do estudo foi por meio de pesquisa qualitativa, com base na matriz SWOT, explorando a revisão bibliográfica e referências críticas do tema, por meio da análise de conteúdo, proposta por Bardin (2004). Como resultado, todos os objetivos foram alcançados, levando à conclusão de que o Parque Estadual do Cocó possui potencialidade para o desenvolvimento do ecoturismo, desde que estabeleçam arranjos políticos que promovam a valorização cultural, a interação social, com organização comunitária, a repartição dos benefícios econômicos justos e a conservação ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARCADIS LOGOS. Plano de Manejo do Parque Estadual do Cocó. São Paulo/SP, 2020.

BORRALHO, L.A. Avaliação da efetividade da proteção ambiental do baixo curso do rio Cocó. Tese (Doutorado). Universidade Federal do Ceará, Instituto de Ciências do Mar, Programa de Pós-Graduação em Ciências Marinhas Tropicais. Fortaleza, 2017.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2004. 223 p.

BRASIL. Lei Federal Nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil/leis/L9985.htm> . Acesso em: 28 Jul. 2023.

BRASIL. Ministério do Turismo. Ecoturismo: orientações básicas. / Ministério do Turismo, Secretaria Nacional de Políticas de Turismo, Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico, Coordenação Geral de Segmentação. 2. ed. – Brasília: Ministério do Turismo, 2010. 90p.

CALDERWOOD, L. U.; SOSHKIN, M. The travel & tourism competitiveness report 2019: travel and tourism at a tipping point. Geneva: World Economic Forum. 2019. Disponível em: https://www3.weforum.org/docs/WEF_TTCR_2019.pdf. Acesso em: 11 Ago. 2023.

CASES, M. O. (Org.) Gestão de Unidades de Conservação: compartilhando uma experiência de capacitação. Brasília: 2012, WWF-Brasil/IPÊ.

CASEMIRO, I. P.; SIMÕES, B. F. T.; MORAES, C. M. S.; Revisitando o ecoturismo na Ilha Grande/RJ: um estudo de caso. Revista Científica da Biodiversidade Brasileira. 13(1): 1-15, 2023.

CBD. The strategic plan for biodiversity 2011–2020 and the Aichi biodiversity targets. Convention on Biological Diversity Tenth Conference of Parties, Nagoya, Japan, UNEP/CBD/COP/DEC/X/2, 29 October 2010. Disponível em: https://www.cbd.int/doc/strategic-plan/2011-2020/Aichi-Targets-EN.pdf. Acesso em: 02 Ago. 2023.

CEARÁ. Ceará 2050: Juntos pensando o futuro. Plano Estratégico de Desenvolvimento de Longo Prazo. Secretaria do Planejamento e Gestão do Ceará. 2018. Disponível em: https://www.seplag.ce.gov.br/planejamento/ceara-2050/consolidacao-e-lancamento-do-plano-estrategico-de-desenvolvimento-de-longo-prazo/. Acesso em: 07 Ago. 2023.

COBBINAH, P. B. Contextualising the meaning of ecotourism. Tourism Management Perspectives, 2015, 16, 179–189.

CRESWELL, J.W. Projeto de pesquisa métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3ª ed. Porto Alegre (RS): 2010, Artmed.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. Métodos de pesquisa. 3. ed. Porto Alegre: 2009, Artmed.

FONSECA, M.; LAMAS, I.; KASECKER, T. O papel das unidades de conservação. Scientific American Brasil, 39: 18-23, 2010.

HIGGINS-DESBIOLLES, F. Socialising tourism for social and ecological justice after COVID-19. Tourism Geographies, 22(3): 610-623, 2020.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE – ICMBio. Rol de Oportunidades de Visitação em Unidades de Conservação – ROVUC. Organizadores: Allan Crema e Paulo Eduardo Pereira Faria. Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade/ICMBio, 2018. Disponível em: <https://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/edital/rovuc_rol_de_oportunidades_de_visitacao_em_unidades_de_conservacao.pdf>. Acesso em: 23 Set. 2023.

INTERNATIONAL UNION FOR CONSERVATION OF NATURE (IUCN). A strategy of innovative approaches and recommendations to reach conservation goals in the next decade - Deliberations of the IUCN World Parks Congress 2014. Disponível em: http://worldparkscongress.org/downloads/approaches/Stream1.pdf. Acesso em 10 Ago. 2023.

LOPES JR., W. M. Turismo de segunda residência na orla do distrito de São Tomé em Campos dos Goytacazes. Rio de Janeiro. Geografia Ensino & Pesquisa, vol. 19, n. 1, jan./abr. 2015, p. 27-38.

NIEWIADOMSKI, P. COVID-19: from temporary deglobalisation to a re-discovery of tourism?. Tourism Geographies, v.22, n.3, pp.651-656, 2020.

NOLTE, C.; AGRAWAL, A.; SILVIUS, K.M.; SOARES-FILHO, B.S. Governance regime and location influence avoided deforestation success of protected areas in the Brazilian Amazon. Proc. Natl. Acad. Sci., 110, 2013, pp. 4956-4961.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO TURISMO - OMT. (2020). World Tourism Barometer, OMT. Disponível em: https:// www.unwto.org. Acesso em: 15 Jul. 2023.

PIRES, P. S, RUGINE, V. M. T. Reconhecimento do Uso Público nos Parques Estaduais no Brasil com ênfase na visitação turística. Revista Brasileira de Ecoturismo, v.11, n.1, pp.61-80, 2018.

PITA, C.; PIERCE, G. J.; THEODOSSIOU, I. Stakeholders’ participation in the fisheries management decision-making process: Fishers’ perceptions of participation. Marine Policy, v. 34, n. 5, p. 1093-1102, 2010.

ROMAGOSA, F. The COVID-19 crisis: Opportunities for sustainable and proximity tourism. Tourism Geographies, 22(3): 690-694, 2020.

SACHS, I. In: NASCIMENTO, E. P.; VIANNA, J. N. (org.). Dilemas e Desafios do Desenvolvimento Sustentável no Brasil. Rio de Janeiro: Garamond, 2007. p. 21-41.

SECRETARIADO DA CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA. Panorama da Biodiversidade Global 3. Brasília (DF): Ministério do Meio Ambiente/ Secretaria de Biodiversidade e Florestas, 2010a.

SOUZA, T. V. S. B. et al. Economic impacts of tourism in protected areas of Brazil. Journal of Sustainable Tourism, v. 27, n. 6, p. 735–749, 2019.

UNEP-WCMC. Contribuição das unidades de conservação brasileiras para a economia nacional: Sumário Executivo. Brasília: 2011. UNEP-WCMC. 44 p. Disponível em: <https://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/comunicacao/estudocontribuicao.pdf>. Acesso em: 24 Jul. 2023.

UNITED NATIONS. The Future We Want. Rio de Janeiro: United Nations, 2012. Disponível em: http://www.rio20.gov.br/documentos/documentos-da-conferencia/o-futuro-que-queremos/ Acesso em: 23 Jul. 2023.

VIARD, J. Le Triomphe de l'Artisanat: Tourisme et Société littorales Méditerranéennes. Paris: Maison des Sciences de l'Homme, 1996.

VIVEIROS DE CASTRO, E.; SOUZA, T.V.S.B.; THAPA, B. Determinants of Tourism Attractiveness in National Parks of Brazil. WCPA. Parks. The International Journal of Protected Areas and Conservation, Volume 21.2, Gland, Switzerland: IUCN, 2015. Disponível em: 10.2305/IUCN.CH.2014.PARKS-21-2EVDC.en. Acesso em: 13 Ago. 2023.

ZAOUAL, H. Do turismo de massa ao turismo situado: quais as transições? Caderno virtual de turismo, 8(2): 1-14, 2008. Disponível em: http://www.ivt.coppe.ufrj.br/caderno/index.php/caderno/article/view/341. Acesso em: 29 Jul. 2023.

Downloads

Publicado

02/01/2024

Como Citar

Nascimento, H. H. O., & Rodrigues, R. F. (2024). Ecoturismo como alternativa para a sustentabilidade do Parque Estadual do Cocó (CE). Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 17(1). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2024.v17.15974

Edição

Seção

Artigo em Dossiês

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.