Valoração do ecoturismo em áreas protegidas: metodologia de aplicação no Parque Estadual Botânico (CE)

Autores

  • Hermógenes Henrique Oliveira Nascimento Secretaria do Meio Ambiente (CE)
  • Carlos Germano Ferreira Costa Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.34024/rbecotur.2024.v17.16048

Palavras-chave:

Unidades de Conservação; Impactos Econômicos; Serviços Ecossistêmicos; Ativos Recreativos e Planejamento; Cidades.

Resumo

As áreas protegidas por fornecerem uma ampla gama de serviços ecossistêmicos para a população humana são um componente essencial de qualquer estratégia de conservação global. Nesse contexto, o ecoturismo nas Unidades de Conservação (UC) representam uma estratégia viável para a conservação da biodiversidade e a prestação de serviços ambientais. Em face das crises globais enfrentadas pela humanidade, medir e avaliar os impactos econômicos dessas ferramentas tornou-se um aspecto importante na avaliação de políticas e processos de tomada de decisão para a conservação da natureza, principalmente, em contextos de áreas urbanas. Entretanto, a documentação desses benefícios enfrenta limitações quanto a precisão nas estimativas, estando sujeitas a erros e vieses, principalmente do tratamento das externalidades do segmento e sazonalidade. Diante disso, o presente trabalho se vale da metodologia Money Generation Model (MGM2) – o modelo gera estimativas de impactos econômicos de visitantes em áreas protegidas –, para analisar o impacto econômico gerado pelo ecoturismo no Parque Estadual Botânico do Ceará, situado no Estado do Ceará, Brasil. Os resultados esperados visam compreender os efeitos multiplicadores da atividade expressos em geração de empregos, vendas, remuneração, salários; exprimir conceitos da metodologia MGM2, com modificações, para abordar questões específicas da área protegida; e, informar formuladores de políticas públicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, D.C.; ROMEIRO, A.R.; FASIABEN, M.C.R.; GARCIA, J.R. Dinâmica do uso do solo e valoração de serviços ecossistêmicos: notas de orientação para políticas ambientais. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 25, pp.53-71. 2012.

BYSTRÖM J.; MÜLLER D.K. Tourism Labor Market Impacts of National Parks. The Case of Swedish Lapland. Zeitschrift für Wirtschaftsgeographie, v.58. n.1–2, p.115–126. 2014.

BUCKLEY, R.; BROUGH, P.; HAGUE, L.; CHAUVENET, A.; FLEMING, C.; ROCHE, E., SOFIJA, E and HARRIS, N. Economic value of protected areas via visitor mental health. Nature Communications, v.10, pp.5005. 2019

CANADÁ. Guidelines: Survey Procedures for Tourism Economic Impact Assessments of Ungated or Open Access Events and Festivals. Alberta Tourism, Parks, Recreation and Culture Canadian Tourism Commission. Ontário. 2007. Disponível em: <https://www.destinationbc.ca/content/uploads/2018/08/Ungated_or_Open_Access_Events_and_Festivals-economic-impact.pdf>. Acesso em: 04 jun. 2023.

CEARÁ. Decreto n. 32.248, de 07 de junho de 2017. Dispõe sobre a criação da unidade de conservação estadual do grupo de proteção integral denominada parque estadual do cocó, no município de Fortaleza e dá outras providências. Diário Oficial do Estado, Fortaleza, CE, Ano IX, n. 108, 08 junho de 2017. Caderno 1, p.1. Disponível em: <http://pesquisa.doe.seplag.ce.gov.br>. Acesso em: 15 mai. 2023.

CEARÁ. Plano de Manejo do Parque Estadual Botânico do Ceará. Encarte 2. Contextualização do Parque Estadual Botânico do Ceará. Iber-Geo. Prodetur Nacional/Ceará, 80p. 2021.

CULLINANE T.C.; HUBER CH.; KOONTZ L. 2013 National Park Visitor Spending Effects, Economic Contributions to Local Communities. States and the Nation Natural Resource Report NPS/NRSS/EQD/NRR—2014/824, Fort Collins. 2014.

DADVAND, P.; NIEUWENHUIJSEN, M. Green Space and Health. In: Nieuwenhuijsen, M., Khreis, H. (eds) Integrating Human Health into Urban and Transport Planning. Springer, Cham. 2019. Disponível em: <https://doi.org/10.1007/978-3-319-74983-9_20>. Acesso em 18 dec. 2023.

DIEU – DEPARTAMENTO DO INTERIOR DOS ESTADOS UNIDOS. O Modelo de Geração de Dinheiro (MGM2) - Benefícios Econômicos dos Parques nas Economias Locais. Divisão de Estudos Socioeconômicos. Denver, Colorado. 30p. 1990. Disponível em: <http://npshistory.com/publications/social-science/mgm2/money-generation-model.pdf>. Acesso em: 04 jun. 2023.

DRIML S.; MCLENNAN C.L. Handbook on Measuring the Economic Value of Tourism to National Parks. CRC for Sustainable Tourism, Queensland. 2010.

EAGLES P.F.; MCLEAN D.; STABLER M.J. Estimating the Tourism Volume and Value in Parks and Protected Areas in Canada and the USA. George Wright Forum. v.17. n.3, p.62–82. 2000.

EAGLES P.F.; McCOOL S.F. Tourism in National Parks and Protected Areas: Planning and Management. CABI Publishing, Cambridge. 2002.

EMERTON, L.; BISHOP, J.; Thomas, L. Sustainable financing of protected areas: A global review of challenges and options. IUCN, 2006.

FLORÊNCIO, B.O.G.; MENEZES DA SILVA, C.E.; CRUZ NETO, C.C. Valuation of cultural ecosystem services in urban parks with different social contexts in the city of Recife (PE), Brazil. Brazilian Journal of Environmental Sciences (RBCIAMB), v.57, n.3, p.442–450. 2022.

FREDMAN P. Determinants of Visitor Expenditures in Mountain Tourism. Tourism Economics, vol.14. nr.2, p.297–311. 2008.

FERRARO, P.J.; MERLIN, H. Quantifying causal mechanisms to determine how protected areas affect poverty through changes in ecosystem services and infrastructure. Proceedings of the National Academy of Sciences, Vol 111, 2014, pp. 4332-4337.

GETZNER M. The Economic Impact of National Parks: The Perception of Key Actors in Austrian National Parks. International Journal of Sustainable Development, vol.6. nr.2, p.183–202. 2003.

GIANFREDI, V.; BUFFOLI, M.; REBECCHI, A.; CROCI, R.; ORADINI-ALACREU, A.; STIRPARO, G.; MARINO, A.; ODONE, A.; CAPOLONGO, S.; SIGNORELLI, C. Association between Urban Greenspace and Health: A Systematic Review of Literature. Int. J. Environ. Res. Public Health, ..18, p.5137. 2021

GONZÁLEZ, T.; BERGER, P.; SÁNCHEZ, C.N.; MAHICHI, F. Sustainability of Urban Parks: Applicable Methodological Framework for a Simple Assessment. Sustainability, v.15, p.15262. 2023.

HJERPE E.E.; KIM Y.S. Regional Economic Impacts of Grand Canyon River Runners. Journal of Environmental Management, v.85, n.1, p.137–149. 2007.

ICMBio – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Monitoramento da visitação em Unidades de Conservação Federais: Resultados de 2019 e breve panorama histórico. Brasília/DF, 2020.

HUHTALA, M. Assessment of The Local Economic Impacts of National Park Tourism: The Case of Pallas-Ounastunturi National Park. Forest Snow and Landscape Research, v.81, n.1/2, p.223–238. 2007.

JOB H. Estimating the Regional Economic Impact of Tourism to National Parks: Two Case Studies from Germany. GAIA, v.17, n.S1, p.134–142. 2008.

LEUNG, Y.F.; SPENCELEY, A.; HVENEGAARD, G.; BUCKLEY, R. (eds.) Turismo e gestão da visitação em áreas protegidas. Diretrizes para sustentabilidade. Série Diretrizes para melhores Práticas para Áreas Protegidas No. 27, Gland, Suiça: UICN. 120 pp. 2019.

MACKINNON, K.; VAN HAM, C.; REILLY, K. and HOPKINS, J. Nature-based Solutions and Protected Areas to improve urban biodiversity and health. In: MARSELLE, M., STADLER, J., KORN, H., IRVINE, K. AND BONN, A. (Eds.) Biodiversity and health in the face of climate change, 2019. pp. 363–380.

McDONALD G.T.; WILKS L.C. The Regional Economic Impact of Tourism and Recreation in National Parks. Environment and Planning B, v.13. n.3, p.349–366. 1986.

MAYER M.; MÜLLER M.; WOLTERING M., ARNEGGER J., JOB H. The Economic Impact of Tourism in Six German National Parks. Landscape and Urban Planning, vol.97. nr.2, p.73–82. 2010.

MEDEIROS, R. YOUNG; C.E.F., PAVESE, H.B., ARAÚJO, F.F.S. (2011) Contribuição das unidades de conservação brasileiras para a economia nacional: Relatório Final. Brasília: UNEP‐WCMC, 120p. Disponível em: http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br/handle/123456789/3494. Acesso em: 04 jun. 2023.

MELL, I. Coronavirus: urban parks can be a lifeline – if we respect lockdown rules. The Conversation. 2020. Disponível em: <https://theconversation.com/coronavirus-urban-parks-can-be-a-lifeline-if-we-respect-lockdown-rules-134185>. Acesso em: 14 mai. 2023.

SLOVIC AD, KANAI C, MARQUES SALES D, CARNAVALLI ROCHA S, DE SOUZA ANDRADE AC, MARTINS LS, MORAIS COELHO D, FREITAS A, MORAN M, MASCOLLI MA, TEIXEIRA CAIAFFA W, GOUVEIA N. Spatial data collection and qualification methods for urban parks in Brazilian capitals: An innovative roadmap. PLoS One. Aug 10;v.18, n.8, e0288515. 2023.

SOUZA, T. V. S. B.; THAPA, B.; RODRIGUES, C. G. O.; IMORI, D. Economic impacts of tourism in protected areas of Brazil. Journal of Sustainable Tourism. Sumário Executivo. ICMBio. 2018.

SOUZA, T. V. S. B.; THAPA, B.; RODRIGUES, C. G. O.; IMORI, D. Economic impacts of tourism in protected areas of Brazil. Journal of Sustainable Tourism. Sumário Executivo. ICMBio. 2018.

STYNES, D., PROPST, D., CHANG, W., & SUN, Y. Estimating National Park Visitor Spending and Economic Impacts: The MGM2 Model. Michigan State University, 2000.

TPL – TRUST FOR PUBLIC LAND. The Economic Benefits and Fiscal Impact of Parks and Open Space in Nassau and Suffolk Counties, New York. 2019. Disponível em: <https://licf.org/wp-content/uploads/2019/12/parks_and_open_space_report.pdf>. Acesso em: 04 jun. 2023.

WALPOLE M.J., GOODWIN H. Local Economic Impact s of Dragon Tourism in Indonesia. Annals of Tourism Research, v.27, n.3, p.559–57. 2000.

WU, R.; ALVARADO, R.; MÉNDEZ, P.; TILLAGUANGO, B. Impact of Informational and Cultural Globalization, R&D, and Urbanization on Inequality. Journal of the Knowledge Economy. 2023. Disponível em: <https://doi.org/10.1007/s13132-023-01146-7>. Acesso em 16 dec. 2023.

WTTC. Economic impact reports – Brazil. World Travel & Tourism Council, 2020. Disponível em: <https://wttc.org/Research/Economic-Impact>. Acesso em: 15 mai. 2023.

YAN, H.; LIU, Z. A New Perspective on the Evaluation of Urbanization Sustainability: Urban Health Examination. Sustainability, v.15, p.9338. 2023.

Downloads

Publicado

02/01/2024

Como Citar

Nascimento, H. H. O., & Costa, C. G. F. (2024). Valoração do ecoturismo em áreas protegidas: metodologia de aplicação no Parque Estadual Botânico (CE). Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 17(1). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2024.v17.16048

Edição

Seção

Artigo em Dossiês

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.