A Bacia Catarinense do Rio Uruguai e o Turismo de Conservação como Ferramenta ao Desenvolvimento Sustentável Regional

Autores

  • Oldemar Carvalho-Junior
  • Rafael Sperb

DOI:

https://doi.org/10.34024/rbecotur.2012.v5.5972

Resumo

O conceito de turismo de conservação ainda não é bem definido, sendo pouco conhecido no Brasil. A preocupação com a definição do conceito procede a partir do momento que o turismo de conservação pode representar uma alternativa econômica importante na gestão de projetos de biodiversidade em Unidades de Conservação, em especial Áreas de Proteção Ambiental (APA). Este tipo de turismo estimula a participação de diferentes setores da sociedade, facilitando a resolução de situações conflitivas, além de contribuir para modificar realidades adversas e melhorar a qualidade de vida das comunidades. O Rio Uruguai constitui um exemplo de interesses conflitivos, dentre os quais, projetos de usinas hidrelétricas para geração de energia têm levado vantagem frente a outras iniciativas. Modificações da paisagem natural resultam em provocações sociais que acabam por afetar o sistema econômico regional. O presente trabalho tem como característica produzir um banco de dados organizado e produtos como mapas temáticos de forma a subsidiar ações voltadas ao desenvolvimento sustentável regional. Para tanto, expedições ao campo e análises de imagens orbitais do satélite LANDSAT ETM7+, nas bandas do infravermelho 4 e 7, e bandas do visível 3, 2 e 1, foram realizadas. O Banco de Dados em SIG incluiu Associações de Municípios, Colonização, Cultura, Densidade Populacional, IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), PIB (Produto Interno Bruto), Turismo de Aventura, Festas, Lazer, Hospedagem, Instituições de Ensino, Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), Produção Agrícola (Erva-Mate, Maçã, Pinhão, Nó-de-Pinho, Uva), Ferrovias, Veículos, Hospitais, Número de Habitantes e Unidades de Conservação. A porção catarinense abordada nesse trabalho abrange 8 Bacias Hidrográficas: Peperi-Guaçu, Antas, Chapecó, Irani, Jacutinga, Peixe, Canoas e Pelotas. O trabalho é desenvolvido para o período de um ano, de Agosto de 2009 a Agosto de 2010. Um total de 210 mapas temáticos foram produzidos em diferentes escalas. Os resultados revelam áreas com baixos níveis de intervenção urbana ao longo das margens do Rio Uruguai. Os dados de IDH (média de 0,78) dão uma amostra do potencial que a Bacia do Rio Uruguai possui para o desenvolvimento de um turismo sustentável, responsável e/ou de conservação. Educação, por exemplo, é um fator primordial para o estabelecimento de práticas sustentáveis. Um aspecto importante a ser considerado nesse projeto é o status de conservação dos ecossistemas. Dentro da Bacia Hidrográfica do Rio Uruguai existem apenas 21 Unidades de Conservação de diferentes categorias, 2 RPPNs, 10 Unidades de Conservação Municipais, 3 Unidades de Conservação Estaduais e 6 Unidades de Conservação Federais. A soma das áreas dessas UCs totaliza cerca de 585 km2, o que representa algo em torno de 1.17% da área da Bacia (50.200km2). A utilização do SIG, como instrumento de gestão se mostrou bastante útil devido à possibilidade de gerenciamento de grande volume de dados, análise do mundo real e simulações de situações diversas. Soma-se a isso o fato de que novos dados podem ser incorporados ao sistema a qualquer momento, tornando mais segura qualquer tomada de decisão ou solução de uso conflitivo. ABSTACT The concept of conservation tourism is not well defined, being little known in Brazil. The concern with the definition of conservation tourism can be justified from the possibility that it may represent an economical alternative in the management of biodiversity projects in protected areas, particularly the Environmental Protection Area (APA). This type of tourism encourages the participation of different sectors of society, facilitating the resolution of conflict situations, contributing to modify adverse realities and improving the quality of life of communities. The Uruguay is an example of conflicting interests, among which hydropower projects for power generation have taken advantage compared to other initiatives. Modifications of the natural landscape result in social provocations that ultimately affect the regional economic system. This work is characterized by producing an organized database and products such as thematic maps in order to support actions aimed at sustainable regional development. To this end, the field expeditions and analysis of orbital images from LANDSAT ETM7+, in the infrared bands 4 and 7 and in the visible bands 3, 2 and 1, were performed. The GIS database included Associations of Municipalities, Colonization, Culture, Population Density, IDH (Human Development Index), PIB (Gross Domestic Product), Adventure Tourism, Events, Entertainment, Lodging, Educational Institutions, Enem (National Survey of Secondary Education), Agricultural Production (Yerba Mate, Apple, Araucaria Pine Nuts, Pine-Knot, Grape), Railroads, Vehicles, Hospitals, Number of Inhabitants and Conservation Areas. The portion of Santa Catarina addressed in this work covers 8 watershed: Peperi Guaçu, Antas, Chapecó, Irani, Jacutinga, Peixe, Pelotas and Canoas. The work is developed for a period of one year, from August 2009 to August 2010. A total of 210 thematic maps were produced at different scales. The results reveal areas with low levels of urban intervention along the banks of the River Uruguay. The IDH data (average 0.78) gives a sample of the potential of the Uruguay River Basin has for the development of sustainable, responsible and/or conservation tourism. Education, for example, is a key factor for the establishment of sustainable practices. An important aspect to be considered in this project is the conservation status of ecosystems. Within the Uruguay River Basin there are only 21 protected areas in different categories, 2 private reserves, 10 protected municipal areas, 3 state conservation areas and 6 federal conservation areas. The sum of these conservation areas totals about 585 km2, which represents around 1.17% of the study area (50.200km2). The use of GIS as a management tool has proved useful to manage and analysis of large volumes of data, as well as real-world simulations of different situations. Important to pint out that new data can be incorporated into the system at any time, facilitating any decision related to conflicting uses. Keywords: Ecotourism, Conservation, Sustainable Tourism

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

01/30/2012

Como Citar

Carvalho-Junior, O., & Sperb, R. (2012). A Bacia Catarinense do Rio Uruguai e o Turismo de Conservação como Ferramenta ao Desenvolvimento Sustentável Regional. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 5(1). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2012.v5.5972
Recebido: 2011-08-23
Aceito: 2012-01-15
Publicado: 2012-01-30