Planejamento de uma Trilha Interpretativa na Estação Ecológica de Angatuba (SP)

Autores

  • Francini de Oliveira Garcia Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba, SP
  • Zysman Neiman Universidade Federal de São Paulo, Diadema/SP https://orcid.org/0000-0003-4076-2934
  • Bárbara Heliodora Soares do Prado Instituto Florestal, São Paulo, SP

DOI:

https://doi.org/10.34024/rbecotur.2011.v4.9844

Palavras-chave:

Unidades de Conservação, Estação Ecológica de Angatuba, Interpretação Ambiental

Resumo

Estação Ecológica de Angatuba, situada nos municípios de Angatuba e Guareí, Estado de São Paulo, uma Unidade de Conservação de Proteção Integral administrada pelo Instituto Florestal, foi criada em 1985. O Plano de Manejo da Unidade foi aprovado em 2009 pelo Conselho Estadual do Meio Ambiente (CONSEMA) e já possui recursos financeiros para sua implantação, provenientes de compensação ambiental. A implantação de Trilhas Interpretativas é uma das ações previstas no Programa de Educação Ambiental da Unidade, assim, esse trabalho teve como objetivo realizar o planejamento de uma Trilha Interpretativa, através do Método IAPI (Indicadores de Atratividade de Pontos Interpretativos). Foram selecionados 30 potenciais pontos de interpretação e somente 13 pontos entraram no roteiro da trilha, sendo dois pontos de descanso. Elaborou-se um esboço do Roteiro de Interpretação Ambiental, com o propósito de esse ser desenvolvido de forma participativa nas oficinas de Educação Ambiental. Foram propostas placas de interpretação para serem colocadas  em alguns pontos no percurso da trilha.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Zysman Neiman, Universidade Federal de São Paulo, Diadema/SP

Doutor em Psicologia (Psicologia Experimental com pesquisa em Educação Ambiental) (2007), passagem pelo programa de doutorado em Ciência Ambiental (2000-2004), mestre em Psicologia (Psicologia Experimental, com ênfase em Ecologia Comportamental) (1991), Licenciado em Ciências (1986), Licenciado em Biologia (1986), e Bacharel em Ciências Biológicas (1986), todos pela Universidade de São Paulo. Atualmente é Pesquisador e Professor Adjunto da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), atuando como vice-coordenador e professor no curso de Bacharelado em Ciências Ambientais. Teve grande atuação como Educador no Ensino de Ciências e Biologia (1985-1996). Foi Professor Adjunto da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) lotado no Centro de Ciências e Tecnologias para a Sustentabilidade (CCTS), onde coordenou o Laboratório de Ecologia, Percepção e Educação Ambiental - LEPEA. Foi Vice-Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Sustentabilidade na Gestão Ambiental - PROSGAM-UFSCar, onde atualmente é docente e pesquisador. Também atua no Programa de Pós-Graduação em Educação do CCTS - UFSCar. Exerceu a função de Presidente do Instituto Physis - Cultura & Ambiente, é líder da Rede de Ação Política pela Sustentabilidade (RAPS), e é Diretor da Sociedade Brasileira de Ecoturismo (SBEcotur), uma entidade científica. Foi um dos redatores do Tema Transversal "Meio Ambiente", dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) para o Ensino Fundamental do MEC (1998). É autor de diversos livros na área de Ecologia, Educação, Meio Ambiente e Sustentabilidade, e é Editor Chefe da Revista Brasileira de Ecoturismo (Qualis B1). Tem experiência na área de Ecologia Humana, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Ambiental, Unidades de Conservação, Sustentabilidade, Percepção Ambiental, Ética e Meio Ambiente, Terceiro Setor, Ambientalismo, e Ecoturismo.

Referências

ANDRADE, W. J.; ROCHA ,R. F. da. Manejo de trilhas: um manual para gestores. São
Paulo, 2008. 35 n. Série Registros. Governo do Estado de São Paulo: Secretaria do Meio
Ambiente: Instituto Florestal.
ARAÚJO, M. A. R. Unidades de conservação no Brasil: da república à gestão de classe
mundial. Belo Horizonte: Segrac, 2007. 6 cap.
BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II,
III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação
da Natureza e dá outras providências. Publicado no Diário Oficial da União de 19 de julho
de 2000.
CARVALHO, P. E. R. Espécies Arbóreas Brasileiras. Brasília: Embrapa Informação
Tecnológica; Colombo, PR: Embrapa Florestas, 2003. 1. vol.
CHAGAS, K. K. N. Educação ambiental: o papel da sensibilidade em trilhas ecológicas.In:
ENCONTRO NACIONAL DE RECREAÇÃO E LAZER: lazer no espaço urbano:
transversalidade e novas tecnologias, 18., 2006, Curitiba. Anais…Curitiba, 2006.
GUIMARÃES, S. T. de L. Paisagens: aprendizados mediante experiências. Um ensaio
sobre interpretação e valoração da paisagem. Rio Claro, 2007. 167 f. Tese (livredocência)
- Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista.
GUIMARÃES, S. T. de L. Trilhas interpretativas e vivências na natureza: reconhecendo e
reencontrando nossos elos com a paisagem. Cadernos Paisagem, Rio Claro, n. 3, p. 39-
44, 1998.
JUNIOR, O. C.; LUZ, N. C. Pegadas. Belém: EDUFPA, 2008. 3 vol.
LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas
Nativas do Brasil. 5. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008. 1 vol.
MAGRO, T.; FREIXÊDAS, V. Trilhas: como facilitar a seleção de pontos Interpretativos.
São Paulo, ESALQ/USP, 1998. Disponível em: < http://www.infotrilhas.com/Downloads/
trilha.pdf>. Acesso em: 25 ago. 2010.
MONTEIRO, C. H. B; PRADO, B. H. S. do; DIAS, A. C. (coords.). Plano de Manejo:
Estação Ecológica de Angatuba. São Paulo: Instituto Florestal, 2009. CD-ROOM.
MONTEIRO, C. H. B; PRADO, B. H. S. do; DIAS, A. C. (coords.). Plano de Trabalho objeto da aplicação de recursos de compensação
ambiental: Estação Ecológica de Angatuba. São Paulo: Instituto Florestal, 2009. CDROOM.
NEIMAN, Z.; LEITE, E. C.; PODADERA, D.S. Planejamento e implantação participativos
de programas de interpretação em trilhas na “RPPN Paiol Maria”, Vale do Ribeira - SP.
Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v. 2, n. 1, p. 11-34, 2009.
NEIMAN, Z.; RABINOVICI, A. Envolvimento Sustentável em Comunidades de
Conservação. OLAM - Ciência & Tecnologia, Rio Claro, v. 8, n. 2, p. 6-30, jun. 2008.
OLIVEIRA, L. R. N. de (org). Unidades de conservação da natureza. São Paulo, 2009. 3
n. Cadernos de Educação Ambiental. Governo do Estado de São Paulo: Secretaria do
Meio Ambiente: Fundação Florestal.
SANTOS, C. G. dos. Educação Ambiental e ecologismo nas trilhas das caminhadas
Ecológicas. Niterói, 2007. 126 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Ambientais) - Instituto
de Geociências, Universidade Federal Fluminense.
SENICIATO, T.; CAVASSAN, O. Aulas de Campo em Ambientes Naturais e
Aprendizagem em Ciências - Um Estudo com Alunos do Ensino Fundamental. Ciência &
Educação, São Paulo, v. 10, n. 1, p. 133-147, 2004.
SOARES, F. J. Caminhos para o desenvolvimento da sensibilidade ambiental: uma
incursão sobre as evidências. Projeto – Revista de Educação, Porto Alegre, v. 6, n. 8,
p. 5-9, 2004.
TROPICOS. Disponível em: <http://www.tropicos.org>. Acesso em: 9 de mar. 2011.
VASCONCELLOS, J. M. O. Educação e Interpretação Ambiental em Unidades de
Conservação. Curitiba, 2006. 4 n. Fundação O Boticário de Proteção à Natureza.
Cadernos de Conservação.
ZANIN, E. M. Projeto trilhas interpretativas - a extensão, o ensino e a pesquisa integrados
à conservação ambiental e à educação.Vivências, v.1, n. 2, p. 26-35, mai. 2006.

Downloads

Publicado

10/01/2011

Como Citar

Garcia, F. de O. ., Neiman, Z., & Prado, B. H. S. do. (2011). Planejamento de uma Trilha Interpretativa na Estação Ecológica de Angatuba (SP). Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 4(3). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2011.v4.9844

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 7 8 > >>