História, Arqueologia e Numismática

As representações no Império romano tardio

Autores

  • Cláudio Umpierre Carlan Universidade Federal de Alfenas

DOI:

https://doi.org/10.34024/herodoto.2022.v7.15473

Palavras-chave:

História Antiga, Arqueologia romana

Resumo

O artigo começa com uma descrição da iconografia como documento histórico. A imagem na Antiguidade tinha uma função específica: apresentar a um determinado grupo social, em sua grande maioria analfabeto, algo que representasse a orla do poder. Ela não apenas legitimava um imperador ou rei, funcionava como uma espécie de propaganda política. Como corpus principal, apresentaremos a coleção numismática do Museu Histórico Nacional, Rio de Janeiro, importante acervo arqueológico brasileiro, ainda pouco estudado.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudio Umpierre Carlan, Universidade Federal de Alfenas

Militar da Ativa do Corpo de Fuzileiros Navais, Marinha do Brasil, nos anos de 1986 a 1994, com especialização na Arma de Artilharia. Possui graduação em História pela Universidade Veiga de Almeida (1995), especialização em Arqueologia pela Universidade Estácio de Sá (1997), mestrado em História Social (Antiga e Medieval) pela Universidade Federal Fluminense (2000) e doutorado em História Cultural (Antiga e Medieval) pela Universidade Estadual de Campinas (2007), realizando estágio no exterior, Universidade de Barcelona, Espanha, como bolsista da CAPES. Estágio Técnico-Científico como bolsista da Fundación Carolina, na Universidad Carlos III de Madrid, Espanha (2010-11). Pós doutorado em Arqueologia e Pesquisador Colaborador do NEPAM/LAP - UNICAMP (2013-2016). Membro do conselho consultivo de várias revistas científicas e professor bolsista (ped) da Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de História, com ênfase em História Antiga e Medieval, Arqueologia Histórica, Patrimônio Histórico, Numismática, Museologia. Ministrou aulas em cursos de graduação e pós-graduação. Professor substituto de História da Ciência e Tecnologia na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), ministrando aulas no Departamento de História (Antiguidade Oriental) e no Departamento de Biblioteconomia (História da Ciência e Tecnologia) em 2008. Atualmente professor- associado de História Antiga da Universidade Federal de Alfenas / MG, coordenador do Curso de História (2015-2017), Subchefe do Departamento de Ciências Humanas (2017), líder do grupo de pesquisa Península Ibérica: da Antiguidade Tardia a Reconquista, sediado na Unifal-MG (CNPq), pesquisador visitante da Unversidad Carlos III de Madrid, Espanha (Instituto de Estudios Clásicos para la Sociedad y la Política ?Lucio Anneo Séneca) e da Pós Graduação Lato Sensu em História Antiga e Medieval (UERJ), pesquisador convidado do CEIPAC / Universitàt de Barcelona (Espanha), nas escavações do Monte Testaccio em Roma (Itália), professor do Programa de Pós Graduação em História Ibérica (Mestrado Profissional) da Unifal-MG. Diretor de Relações Internacionais e Institucionais (gestão 2018-2026).

Referências

CARLAN, Cláudio Umpierre. Antiguidade Clássica e Numismática: representações e pesquisas no ensino fundamental. In: CHEVITARESE, André; CORNELLI, Gabriele; SILVA, Maria Aparecida Oliveira (Orgs.). A Tradição Clássica e o Brasil. Brasília: Fortium Editora, 2008.

CARLAN, Cláudio Umpierre. Moeda e Poder em Roma: um mundo em transformação. São Paulo: Annablume, 2013.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de Símbolos. 8a. ed. Tradução: Vera Costa e Silva, Raul de Sá Barbosa, Ângela Melim, Lúcia Melim. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1997.

CHEVITARESE, André Leonardo; CORNELLI, Gabriele. Judaísmo, Cristianismo, Helenismo. Ensaios sobre interações culturais no Mediterrâneo Antigo. Itu: Ottoni Editora, 2003.

COHEN, Hernry. Description Historique des Monnaies.Frappés Sous L’Empiere Romain. Communément Appelées Médailles Impériales. Deuxième Edition. Tome Septième e Huitième. Paris: Rollim e Feuardent, Éditeurs, 1880-1892.

FRÈRE, Hubert. Numismática. Uma Introdução aos Métodos e a Classificação. Tradução e Adaptação: Alain Costilhes e Maria Beatriz Florenzano. São Paulo: Sociedade Numismática Brasileira, 1984.

FEBVRE, Lucien. Combates pela História. 2a. ed. Tradução de Leonor Marinho Simões e Gisela Moniz. Lisboa: Editorial Presença Ltda, 1985.

FUNARI, Pedro Paulo Abreu. A Vida Cotidiana na Roma Antiga. São Paulo: Annablume, 2003.

FUNARI, Pedro Paulo Abreu. A Renovação do Ensino de História Antiga. In: KARNAL, Leandro (org.). História em Sala de Aula. São Paulo: Contexto, 2003.

FUNARI, Pedro Paulo Abreu; CARLAN, Cláudio Umpierre. Arqueologia Clássica e Numismática. Textos didáticos n. 62. Campinas: UNICAMP; IFCH, 2007.

GREIMAS, Algirdas J.; COURTÉS, Joseph. Dicionário de Semiótica. Tradução de Alceu D. Lima, Diana L. P. de Barros, Eduardo P. Cañizal, Edward Lopes, Ignacio A. Silva, Maria José C. Sembra, Tieko Y. Miyazaki. São Paulo: Editora Cultrix, 1979.

HUNT, Lynn. A Nova História Cultural. Tradução de Jefferson Luís Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

JENKINS, Keith. A História Repensada. Tradução Mário Vilela. Revisão Técnica Margareth Rago. São Paulo: Contexto, 2001.

JUNGE, Ewald. The Seaby Coin Encyclopaedia. Second impression with revisions. London: British Library, 1994.

KENT, J.P.C. Roman Coins. Photographs by Max and Albert Hirmer. Departament of Coins And Madals the British Museum. London: Thames and Hudson, 1978.

MARQUES, Mario Gomes. Introdução à Numismática. 1a. ed. Lisboa: Publicações D. Quixote, 1982.

THE ROMAN IMPERIAL COINAGE. MATTINGLY, Harold; SUTHERLAND, C. H. V.; CARSON, R. A. G. (Eds). V. VI, VII, VIII. London: Spink and Sons Ltda, 1983.

Publicado

2023-08-03

Como Citar

Umpierre Carlan, C. (2023). História, Arqueologia e Numismática: As representações no Império romano tardio. Heródoto: Revista Do Grupo De Estudos E Pesquisas Sobre a Antiguidade Clássica E Suas Conexões Afro-asiáticas, 7(2), 43–52. https://doi.org/10.34024/herodoto.2022.v7.15473

Edição

Seção

Dossiê / Dossier