O Mitreu de Londinium e a escavação de dois impérios

Autores

  • Renato Pinto Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.34024/herodoto.2022.v7.15474

Palavras-chave:

Britânia (Britannia), Londinium, Mitreu de Londinium, Mithraeum Bloomberg Space, Patrimônio arqueológico

Resumo

A descoberta do Mitreu de Londinium em 1952 foi um importante marco na reconstrução de Londres após os bombardeios da Segunda Guerra Mundial. Vindo do mundo helenístico, o mitraísmo chegou à Britânia (Britannia), província do Império Romano, no séc. II d.C. já ressignificado, voltado aos militares, mercadores e ricos libertos. O templo dedicado a Mitra foi construído no início do séc. III e durou até meados do IV, simbolizando resistência aos ataques do cristianismo e, possivelmente, sendo reconsagrado a outra divindade. A escavação do templo e os achados arqueológicos no séc. XX no seu interior levaram muitos britânicos a conectar os vestígios de um império da Antiguidade com a ansiedade relacionada aos estertores do seu império moderno. Apesar do sucesso do Mitreu na modernidade, sua trajetória arqueológica é complexa e envolve as pressões imobiliárias de uma grande cidade como Londres e o papel de museus e da iniciativa privada na guarda do patrimônio arqueológico do passado.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renato Pinto, Universidade Federal de Pernambuco

Possui título de Doutor em História Cultural pelo Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Universidade Estadual de Campinas (2011) e de Mestre em Arqueologia pelo Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da Universidade de São Paulo (2003). Pós-doutor em Arqueologia pelo MAE-USP (2013). Professor Associado II de História Antiga - CFCH/UFPE. Foi bolsista da FAPESP durante o doutoramento. Atua, principalmente, nos seguintes temas: estudos sobre a Bretanha Romana, Roma Antiga, Imperialismo, Relações de Gênero, Sexualidade, Usos do Passado e Teoria da Arqueologia. Bacharel em História pela Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo. Participa do Grupo de Pesquisa Antiguidade e Modernidade: História Antiga e Usos do Passado, coordenação de Dr. Glaydson José da Silva e Dra. Renata Senna Garraffoni. É docente do GTHA - Grupo de Estudos de História Antiga, da ANPUH. É membro do LABHAM - Laboratório de História Antiga e Medieval (UFPI, coordendado pelo Prof. Dr. José Petrúcio Farias Júnior. É membro do Insul - Grupo de Estudos sobre a Britânia, Irlanda e as Ilhas do Arquipélogo Norte na Antiguidade e no Medievo. (Fonte: Currículo Lattes)

Referências

BEARD, Mary; NORTH, John; PRICE, Simon. Religions of Rome, vol. 1: the History. Cambridge: CUP, 2000.

COLLINGWOOD, R. G.; WRIGHT, R. P. The Roman Inscriptions of Britain I. Oxford: OUP, 1965.

CROXFORD, Ben. Iconoclasm in Roman Britain? Britannia, 34, 2003, p. 81-95.

ELLIOTT, Simon. Roman Conquests Britain. Yorkshire, Philadelphia: Pen & Sword, 2021.

HENIG, Martin. Religion in Roman Britain. London: BT Batford, 1984.

HINGLEY, Richard. Londinium: a Biography. Roman London from its Origins to the Fifth Century. London: Bloomsbury Academic, 2018.

HINGLEY, Richard. Roman Officer and English Gentlemen. The Imperial Origins of Roman Archaeology. London: Routledge, 2000.

HUSKINSON, Janet. Culture and social relations in the roman province. In: SALWAY, Peter (ed.) The Roman Era. Oxford: OUP, 2002, p. 107-138.

MARRIFIELD, Ralph. The Roman City of London. London: E. Benn Ltd., 1965.

MATTINGLY, David. An Imperial Possession: Britain in the Roman Empire. London: Penguin books, 2007.

OTTAWAY, Patrick. Roman Yorkshire: People, Culture and Landscape. Pickering, UK: Blackthorn Press, 2013.

PERRING, Dominic. London in the Roman World. Oxford: OUP, 2022.

PINTO, Renato. Os crânios do cemitério do Vale Superior do Walbrook: tafonomia e ritos. Revista M.. Rio de Janeiro, v. 2, n. 4, jul./dez, 2017, p. 375-95.

REDFERN, Rebecca; BONNEY, Heather. Headhunting and amphitheatre combat in Roman London, England: new evidence from the Walbrook Valley. Journal of Archaeological Science 43, 2014, p. 214-226.

SALWAY, Peter. The Oxford Illustrated History of Roman Britain. Oxford: OUP, 1993.

SHEPHERD, John D. The Temple of Mithras London: Excavations by W. F. Grimes and A. Williams at the Walbrook. London: English Heritage, Archaeological Report 12, 1998.

TOYNBEE, Jocelyn. The Roman Art Treasures from the Temple of Mithras. London: London and Middlesex Archaeological society, Special Paper 7, 1986. Available on http://www.lamas.org.uk/images/documents/Special_Papers/SP7%201986%20Temple%20of%20Mithras.pdf. Accessed on 13/10/2022.

Sites utilizados para consultas: (todos verificados em 13 de outubro de 2022)

London Mithraeum Bloomberg SPACE: https://www.londonmithraeum.com/. Acessado em 13/10/2022.

Mitraeum pack do Museu de Londres, em PDF: https://www.museumoflondon.org.uk/application/files/9615/0781/4381/Mithraeum_pack.pdf. Acessado em 13/10/2022.

Pack do London Mithraeum Bloomberg SPACE: https://www.museumoflondon.org.uk/application/files/9615/0781/4381/Mithraeum_pack.pdf. Acessado em 13/10/2022.

Teacher’s pack, em PDF: https://assets.bbhub.io/company/sites/30/2020/11/912448_SPACE_LucySkaer_TeachersResource_Oct2020.pdf. Acessado em 13/10/2022.

Downloads

Publicado

2023-08-03

Como Citar

Pinto, R. (2023). O Mitreu de Londinium e a escavação de dois impérios. Heródoto: Revista Do Grupo De Estudos E Pesquisas Sobre a Antiguidade Clássica E Suas Conexões Afro-asiáticas, 7(2), 53–78. https://doi.org/10.34024/herodoto.2022.v7.15474

Edição

Seção

Dossiê / Dossier