MIGRAÇÕES INTERNAS EM TEMPOS DE SECA

ANÁLISE DO POVOAMENTO SERTANEJO A PARTIR DAS REDES CLIENTELARES E DAS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX

Autores

  • Vitor Nunes Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.34024/hydra.2023.v7.15383

Palavras-chave:

Nordeste, Migrações, Sociedades camponesas

Resumo

A privatização de recursos naturais, potencializada no Brasil a partir 1850, fomentou migrações em direção aos centros econômicos do país. Nesse sentido, as complexas relações de dominação no sertão, as migrações e os impactos da seca revelam uma história marcada por desafios socioeconômicos e políticos. Este artigo analisa a trajetória da ocupação do Nordeste brasileiro a partir da formação da elite rural que habitou esta região desde a colônia. Observamos como o governo varguista, a partir de 1930, manteve a dominação no interior do país e permitiu a união entre as oligarquias regionais e a República brasileira, a fim de neutralizar ameaças a um sistema clientelar de favores mútuos que permitia a coerção e a preservação de privilégios. Ao dialogar com os conceitos de micropoder e redes clientelares, buscamos entender como a dominação nas zonas rurais brasileiras levou à objetificação de experiências coletivas, à domesticação dos corpos e à subjugação da população sertaneja.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fontes utilizadas

NOTÍCIAS. Jornal A Tribuna, Aracaju, 15 de abril de 1931. Disponível no acervo digital da Biblioteca Estadual Epifânio Dórea. Acesso em: 17 de maio de 2023.

Referências bibliográficas

CARVALHO, J. M. de. Mandonismo, Coronelismo, Clientelismo: Uma Discussão Conceitual. Dados, [s. l.], v. 40, n. 2, p. 229–250, 1997.

DANTAS, M. D. Fronteiras Movediças: A comarca de Itapicuru e a formação do arraial de Canudos. 1a ed. São Paulo: Hucitec/FAPESP, 2007. 2007.

FAUSTO, B. A revolução de 1930. 1a ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

FERREIRA, L. de C. Entre as relações de força e o consenso: as políticas anti-migratórias e os trabalhadores-cassacos no contexto das secas da década de 1950. Fronteiras & Debates, Macapá, v. 6, n. 2, p. 85, 2019.

FOUCAULT, M. Microfísica Do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 2004.

HESPANHA, A. M.; XAVIER, Â. B. As redes Clientelares. Em: HESPANHA, Antônio Manuel (org.). História de Portugal: O Antigo Regime 1620-1807. 1ª ed. Lisboa: Estampa, 1993. v. 4, p. 339–349. Disponível em: Acesso em: 1 maio 2023.

LEAL, V. N. Coronelismo enxada e voto. 1a ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

MARQUES, A. C. Política e questão de família. Revista de Antropologia, [s. l.], v. 45, n. 2, p. 417–442, 2002.

MELLO, F. P. D. Guerreiros do sol: violência e banditismo no Nordeste do Brasil. 5aed. São Paulo: A Girafa, 2011.

NEVES, F. Curral de Bárbaros: Os campos de concentração no Ceará (1915 e 1932). Revista brasileira de história, São Paulo, v. 15, n. 29, 1995.

SINGER, P. Interpretação do Brasil, uma experiência histórica de desenvolvimento. Em: FAUSTO, Boris; HOLANDA, Sérgio Buarque de. História Geral da Civilização Brasileira. O Brasil Republicano. Estrutura de Poder e Economia. 1889-1930. 8a ed. São Paulo: Bertrand, 1992. v. 8.

Downloads

Publicado

2024-04-27