Esquizofrenia: revisão histórica e características neuropsicológicas do transtorno

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2024.v32.15845

Palavras-chave:

Esquizofrenia, DSM, Neurologia, Psicologia, Revisão

Resumo

Introdução. A esquizofrenia é um transtorno mental grave que provoca um sofrimento psíquico no sujeito em decorrência de seus sintomas, como delírios e embotamento afetivo, sendo necessário a utilização de medicamentos antipsicóticos, acompanhamento psiquiátrico e psicológico ao longo da vida deste sujeito. Objetivo. Trazer informações sobre o transtorno esquizofrênico em forma de revisão histórica, abrangendo os avanços em estudos neuropsicológicos e classificações nas edições do DSM (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais).  Método. Revisão bibliográfica, realizando uma reflexão sobre obras já existentes no campo de estudos sobre a esquizofrenia. Conclusão. A psicoterapia desempenha um papel essencial nos estudos sobre o transtorno pois tem uma visão biopsicossocial, ou seja, além do sujeito, aplicando técnicas e intervenções condizentes com a subjetividade do paciente e sua rede de apoio, estabelecendo relação terapêutica e melhorando a saúde mental do mesmo de modo multidisciplinar junto dos profissionais da saúde envolvidos neste caso.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

American Psychiatric Association (APA). Manual de Diagnóstico e Estatística de Distúrbios Mentais DSM-V®. Porto Alegre: Artmed; 2013. http://www.institutopebioetica.com.br/documentos/manual-diagnostico-e-estatistico-de-transtornos-mentais-dsm-5.pdf

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). Transtornos mentais. OMS; 2022. Disponível em: https://www.paho.org/pt/topicos/transtornos-mentais

Tortajada RE, Humanes JFN, Domenech MG. Neuropsicología de la esquizofrenia. Rev Psicol Conduc 1998;6:29-48. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=1195043

Zanini MH. Psicoterapia na esquizofrenia. Rev Bras Psiquiatr 2000;22(suppl 1):47-9. https://doi.org/10.1590/S1516-44462000000500016

Shirakawa I. Aspectos gerais do manejo do tratamento de pacientes com esquizofrenia. Braz J Psychiatr 2000;22:56-8. https://doi.org/10.1590/S1516-44462000000500019

Elkis H. A evolução do conceito de esquizofrenia neste século. Rev Bras Psiquiatr 2000;22(suppl 1):23-6. https://doi.org/10.1590/S1516-44462000000500009

Mari JJ, Leitão RJ. A epidemiologia da esquizofrenia. Rev Bras Psiquiatr 2000;22(suppl 1):15-7. https://doi.org/10.1590/S1516-44462000000500006

Pereira MEC. Kraepelin e a criação do conceito de “Demência precoce”. Rev Latinoam Psicopatol Fundam 2001;4:126-9. https://doi.org/10.1590/1415-47142001004011

Alvez CRR, Silva MTA. A esquizofrenia e seu tratamento farmacológico. Est Psicol (Campinas) 2001;18:12-22. https://periodicos.puc-campinas.edu.br/estpsi/article/view/6604

D’Agord M. Esquizofrenia, os Limites de um Conceito. Laboratório de Psicanálise EPsico; 2005. https://www.ufrgs.br/psicopatologia/esquiz1.pdf

Silva RCB. Esquizofrenia: uma revisão. Psicologia USP 2006;17:263-85. https://doi.org/10.1590/S0103-65642006000400014

Domingos MCR. Aspectos Neuropsicológicos da Esquizofrenia. Psicologia 2014;14:25. https://scielo.pt/pdf/psi/v14n1/v14n1a02.pdf

Maatz A, Hoff P, Angst J. Eugen Bleuler’s schizophrenia—a modern perspective. Dialog Clin Neurosci 2015;17:43-9. https://doi.org/10.31887/DCNS.2015.17.1/amaatz

Tenório F. Psicose e esquizofrenia: efeitos das mudanças nas classificações psiquiátricas sobre a abordagem clínica e teórica das doenças mentais. História, Ciências, Saúde-Manguinhos 2016;23:941-63. https://doi.org/10.1590/S0104-59702016005000018

Schisler V. Farmacoterapia no Tratamento da Esquizofrenia (trabalho de conclusão de curso). Sinop: Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Sinop. Instituto de Ciências da Saúde. 2017. https://bdm.ufmt.br/bitstream/1/1285/1/TCC-2017-VIRIDIANA%20SCHISLER%20.pdf

Trento AC, Souza LC, Picolo D. A Esquizofrenia e seus Impactos no Âmbito Familiar. Anais de Psicologia do UNIFUNES 2018;5. https://seer.unifunec.edu.br/index.php/ASP/article/view/3435

Gomes AFSR, Campos GP, Pedrosa DEMM, Andrade AKC, Gomes MCA, Lobão LM. Esquizofrenia: A Evolução do Diagnóstico e os Tratamentos Utilizados no Brasil. Braz J Surg Clin Res 2019;28:15-9. https://www.mastereditora.com.br/periodico/20191115_074607.pdf

Bombassaro T. Perfil neuropsicológico de pacientes com esquizofrenia. Campo Grande: Universidade Católica Dom Bosco. 2020. https://site.ucdb.br/public/md-dissertacoes/1035233-perfil-neuropsicologico-de-pacientes-com-esquizofrenia.pdf

Santos MRF, Oliveira MEF. Linha do tempo da esquizofrenia e desenvolvimento humano. Rev Transformar 2021;15:391-413. http://www.fsj.edu.br/transformar/index.php/transformar/article/view/583

Silva PF, Sousa HWO, Sousa LC, Fogaça FFS. Esquizofrenia: Aspectos Etiológicos, Fatores de Risco Associados e os Impactos na Educação do Ensino Superior. Humanidades Inov 2022;9:241-50. https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/article/view/1734

Almeida LL, Baquião LA. Esquizofrenia, Hipótese Doparminégica e Capacidade Cognitiva: Entendendo os Desafios Atuais do Tratamento e os Impactos dos Prejuízos Cognitivos na Vida dos Pacientes. Registro: Centro Universitário do Vale do Ribeira. 2023. https://portal.unisepe.com.br/repositorio/wp-content/uploads/sites/10011/2023/05/ESQUIZOFRENIA-HIP%C3%93TESE-DOPAMIN%C3%89RGICA-E-CAPACIDADE-COGNITIVA.pdf

Menezes LA. A esquizofrenia na perspectiva da neurociência. Rev Instituto Ciênc Hum 2022;18:74-83. https://periodicos.pucminas.br/index.php/revistaich/article/view/28895

Bermejo JC, Rodicio SG. Antipsicóticos típicos. Antipsicóticos atípicos. Formac Med Cont Atención Prim 2007;14:637-47. https://doi.org/10.1016/S1134-2072(07)71951-5

McCutcheon RA, Abi-Dargham A, Howes OD. Schizophrenia, Dopamine and the Striatum: From Biology to Symptoms. Trend Neurosci 2019;42:205-20. https://doi.org/10.1016/j.tins.2018.12.004

Castro CC. Ressonância magnética na esquizofrenia: um estudo morfométrico. Radiol Bras 2001;34:141-4. https://doi.org/10.1590/S0100-39842001000300005

American Psychiatric Association. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders – DSM-I®. 1 ed. Washington DC: APA, 1952. https://ia800701.us.archive.org/10/items/dsm-1/dsm-1952.pdf

American Psychiatric Association. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders DSM-II®. Washington DC: APA, 1968. https://www.madinamerica.com/wp-content/uploads/2015/08/DSM-II.pdf

American Psychiatric Association. Manual de Diagnóstico e Estatística de Distúrbios Mentais DSM III®. São Paulo: Manole, 1989. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/sms-3276

American Psychiatric Association. Manual de Diagnóstico e Estatística de Distúrbios Mentais DSM-IV®. São Paulo: Manole, 1994.

Oliveira IR. Antipsicóticos atípicos: farmacologia e uso clínico. Ver Bras Psiquiatr 2000;22(suppl 1):38-40. https://doi.org/10.1590/S1516-44462000000500013

Downloads

Publicado

2024-02-15

Como Citar

Guths, B. O. ., & Sausen, T. R. (2024). Esquizofrenia: revisão histórica e características neuropsicológicas do transtorno. Revista Neurociências, 32, 1–21. https://doi.org/10.34024/rnc.2024.v32.15845

Edição

Seção

Artigos de Revisão
Recebido: 2023-10-30
Aceito: 2024-02-02
Publicado: 2024-02-15

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.