GÊNERO E SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: a ideologia de gênero distorce tudo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/olhares.2024.v12.15600

Palavras-chave:

Gênero, Educação Infantil, Ideologia de Gênero

Resumo

Este artigo tem como objetivo problematizar os efeitos do movimento antigênero em uma escola de educação infantil, situada em um município no interior do estado do Rio Grande do Sul, que se intitula como uma “escola promotora da igualdade de gênero”. Como estratégia metodológica e analítica, utilizamos a investigação narrativa. Para a produção de dados, realizamos entrevistas narrativas, encontros narrativos e diário de campo. O estudo apresentou o movimento antigênero, fomentado pelo slogan da “ideologia de gênero”, gerando efeitos na Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI) pesquisada, por meio de artifícios como um projeto de lei no poder legislativo, para proibir o debate das questões de gênero e de sexualidade; um ofício de um vereador do município questionando atividades da escola; além de questionamentos e embates com docentes da própria EMEI. Todavia, esse movimento, contrário às discussões de gênero e de sexualidade nessa escola de educação infantil, também promoveu luta e resistência, colocando profissionais da educação em ação para criar estratégias de debate: incluir as famílias nas discussões, abranger os temas gênero e sexualidade no projeto político pedagógico, bem como proporcionar espaços de formação continuada e contínua para as professoras sobre a temática.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lara Torrada Pereira, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Psicóloga formada, mestre em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde e doutoranda em Educação em Ciências pela Universidade Federal do Rio Grande (Furg). Integrante do Grupo de Pesquisa Sexualidade e Escola (Gese – Furg). Membro no Núcleo de Gênero, Raça e Sexualidade do Conselho Regional de Psicologia – CRP.

Paula Regina Costa Ribeiro, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Professora titular do Instituto de Educação e do Programa de Pós-Graduação Educação em Ciências/Furg. Líder do Grupo de Pesquisa Sexualidade e Escola (Gese). Bolsista produtividade 1C do CNPq. Editora da Revista Diversidade e Educação.  Atua principalmente nos seguintes temas: corpos, gêneros e sexualidades nos espaços educativos.

Juliana Lapa Rizza, Universidade Federal do Rio Grande

Graduação em Pedagogia – Licenciatura com Habilitação nos Anos Iniciais, Mestrado e Doutorado em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande (Furg). Pós-doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Sexualidade e Escola (Gese/Furg). Coordenadora do Projeto Escola Promotora da Igualdade de Gênero. Tem experiência na área de educação, com ênfase nas questões de corpos, gêneros e sexualidades na Educação Básica e na formação de professores/as.

Referências

BERTAUX, Daniel. Narrativas de vida: a pesquisa e seus métodos. Tradução Zuleide Alves Cardoso Cavalcante, Denise Maria G. Lavallé. Natal, RN: EDUFRN, São Paulo. Paulus, 2010.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular - Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf> Acesso: 05, jul. 2023.

CASTRO, Alexandre Silva Bortolini. Gênero, sexualidade, educação e democracia – o ciclo da política de educação em gênero e diversidade sexual. 2022. 400p. Tese. (Doutorado em Educação) - Universidade de São Paulo. São Paulo, 2022.

CASTRO, Roney Polato de. Experiência e constituição de sujeitos docentes: relações de gênero, sexualidade e formação em Pedagogia. 2014. 256p. Tese. (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora, 2014.

CORRÊA, Sonia. A “política do gênero”: um comentário genealógico. Cadernos Pagu, Campinas, v. 53, 2018, s/p.

FOUCAULT, Michael. Vigiar e Punir. 35. ed. Petrópolis: Vozes, 2008. 295p.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. 24 ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

FOUCAULT, Michel. A verdade e as formas jurídicas. Tradução de Roberto Cabral de Melo Machado e Eduardo Jardim Morais, supervisão final do texto Léa Porto de Abreu Novaes. Rio de Janeiro, NAU Editora, 2002. 160p.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. “Ideologia de Gênero”: a gênese de uma categoria política reacionária – ou: a promoção dos direitos humanos se tornou uma “ameaça à família natural”? In: RIBEIRO, Paula Regina Costa; MAGALHÃES, Joanalira Corpes (Org.) Debates contemporâneos sobre Educação para a sexualidade. Rio Grande: Editora da FURG, 2017. p. 25-52.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. Políticas Públicas de Educação: entre o direito à educação e a ofensiva antigênero. In: RIBEIRO, Paula Regina Costa, (Org.) Corpo, gênero e sexualidade. Resistência e (ocupa)ações nos espaços de educação. Rio Grande: Ed. da FURG, 2018. p. 179-210.

JUNQUEIRA, Rogério. A agenda antigênero como diretriz das políticas de Estado: o caso da educação In: RIBEIRO, Paula Regina Costa; MAGALHÂES, Joanalira Corpes; BOER, Raphael Albuquerque de (org.) (Re)existir, (re)inventar, pesquisar: entrelaçamentos de corpos, gêneros e sexualidades. Rio Grande: Ed. FURG, 2022. p. 42-87.

LARROSA, Jorge. Tecnologias do eu e educação. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). O sujeito da Educação: estudos foucaultianos. 6 ed. Petrópolis – RJ: Vozes, 2008. p. 35–86.

LIONÇO, Tatiana Lionço; ALVES, Ana Clara de Oliveira; MATTIELLO, Felipe; FREIRE, Amanda Machado. “Ideologia de gênero”: estratégia argumentativa que forja cientificidade para o fundamentalismo religioso. Psicologia Política. vol. 18. nº 43. pp. 599-621. set. – dez. 2018

MISKOLCI, Richard. Pânicos Morais e controle social – reflexões sobre o casamento gay. Cadernos Pagu, n. 28, p. 101-128, 2007.

PARAÍSO, Marlucy Alves. A ciranda do currículo com gênero, poder e resistência. Currículo sem Fronteiras, v. 16, n. 3, p. 388-415, set./dez. 2016.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Fazer do caos uma estrela dançarina no currículo: invenção política com gênero e sexualidade em tempos do slogan “ideologia de gênero”. In: PARAÍSO, Marlucy Alves, CALDEIRA, Maria Carolina da Silva (Org.). Pesquisas sobre currículos, gêneros e sexualidades. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2018. p. 23-52.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Pesquisas pós-críticas em educação no Brasil: esboço de um mapa. Cadernos de Pesquisa, v. 34, n. 122, maio/ago. 2004. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/cp/a/JrF5H8r96wRTvTDLSzhYpcM/abstract/?lang=pt> Acesso em: 02 jul. 2023.

PEREIRA, Lara Torrada. RIBEIRO, Paula Regina Costa; RIZZA, Juliana Lapa. A ofensiva antigênero e seus efeitos: Um projeto-experiência com professoras/es da Educação Básica. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 14, n. 28, p. 107-126, jan./abr. 2020. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/1093. Acesso em: 25 jun. 2023.

POL-DROIT, Roger. Michel Foucault: entrevistas. São Paulo: Graal, 2006. 107p.

RIBEIRO, Paula Regina Costa. Inscrevendo a Sexualidade: Discursos e práticas de professoras das séries iniciais do Ensino Fundamental. Tese (doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Ciências Básicas da Saúde. Curso de Pós-Graduação: Bioquímica. 2002. 125p.

RIZZA, Juliana Lapa; RIBEIRO, Paula Regina Costa; PEREIRA, Lara Torrada. Educação para sexualidade: apresentando um espaço-experiência na formação de professores/as. In.: BORTOLOZZI, Ana Cláudia; RIBEIRO, Paulo Rennes Marça, (Org.). Enfrentando a barbárie: temas emergentes sobre sexualidade, gênero e educação em cenários antidemocráticos. Bauru, SP: Gradus Editora, 2022. p. 121-132.

SEFFNER, Fernando. Tem nexo não falar sobre sexo na escola? Revista Textual. Porto Alegre: Sinpro/RS, v. 1, n. 25, p. 22–29, maio, 2017. Disponível em: < https://www.sinprors.org.br/wp-content/uploads/2017/11/Textual_maio_2017_completa.pdf>. Acesso em: 17 de junho de 2019.

SEFFNER, Fernando; FELIPE, Jane. Educação, Gênero e Sexualidade: (im)pertinências. 1 ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Editora vozes, 2022.

VEYNE, Paul Marie. Como se escreve a história: Foucault revoluciona a história. Tradução de Alda Baltar e Maria Auxiliadora Kneipp. 4ª ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília. 2008. 285p.

XAVIER FILHA, Constantina. Brincar de fazer cinema com crianças: (des)propósitos, desafios e resistência em projeto de extensão. In: RIBEIRO, Paula Regina Costa, (Org.) Corpo, gênero e sexualidade. Resistência e (ocupa)ações nos espaços de educação. Rio Grande: Ed. da FURG, 2018. p. 89-104.

Downloads

Publicado

2024-04-30

Edição

Seção

SEÇÃO TEMÁTICA: A educação em disputa: Gênero, cruzadas e formas de resistência