El desarrollo regional como eje estructural de los Institutos Federales de Educación, Ciencia y Tecnología

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.34024/prometeica.2024.29.15280

Palabras clave:

desarrollo regional, desarrollo sostenible, educación y formación técnica y profesional, ciudades pequeñas, Instituto Federal de Educación, Ciencia y Tecnología

Resumen

Este artículo discute el proyecto de desarrollo presente en la constitución de la política federal para la educación profesional y tecnológica en Brasil, inscrita en la ley de creación de los Institutos Federais. La hipótesis central fue que el desarrollo regional se convirtió en la columna vertebral de esa política pública, que destacó la importancia de los arreglos productivos, sociales y culturales locales en el proceso de expansión e interiorización de la formación profesional. Concluyó que, por un lado, la interseccionalidad de la política soslayó la cultura del bachillerato y el desprestigio que ocupa la formación profesional en el país. También amplió su alcance a municipios pequeños, instalándose el 58,8% de los 483 nuevos campi en localidades de menos de 100.000 habitantes. Por otro lado, la cultura organizacional preexistente y la falta de espacios institucionales de gobernabilidad resultaron en una baja interacción entre los campi y el territorio, estableciéndose aún un vínculo frágil y discontinuo con el desarrollo regional.

Métricas

Cargando métricas ...

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Marcio Rogerio Olivato Pozzer, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Doutor pelo Programa de Integração da América Latina da Universidade de São Paulo - PROLAM/USP, com estágio pela Universidade de Salamanca (Espanha), Mestre pelo mesmo Programa da USP, Especialista em Gestão Pública pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR e Bacharel em Gestão de Políticas Públicas pela Universidade de São Paulo - USP. Desenvolve atividades na área de Gestão de Políticas Públicas, sobretudo nas áreas da cultura, participação e desenvolvimento regional, tendo integrado as equipes que coordenaram o Projeto "Moradia Solidária" vinculado à Secretaria Nacional de Economia Solidária do Ministério do Trabalho e o "PROEXT Cultura" vinculado ao Ministério da Cultura, além de ter exercido cargo de direção no Instituto Getussp (OSCIP) na formulação e implementação de políticas públicas culturais, educacionais e tecnológicas. Tem experiência em Gestão Pública Legislativa, tendo trabalhado na Câmara dos Deputados em Brasília/DF e na Câmara Municipal de São Paulo. Foi docente do programa de pós-graduação do Centro Universitário SENAC de 2011 até 2014 e chefe de gabinete da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo entre fevereiro de 2015 e janeiro de 2016. Atualmente é professor e pesquisador do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), atuando no eixo de administração e gestão e realizando projetos de pesquisa e extensão na área de gestão pública, política cultural, participação social, desenvolvimento regional e educação profissional e tecnológica. É líder do Grupo de Pesquisa do CNPq "Educação, Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Regional".

Roberta dos Reis Neuhold, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP), com estágio-doutoral na Universidade do Minho. Mestre em Sociologia (USP), com bolsa da Fapergs e da Capes. Especialista em Planejamento, Implementação e Gestão da Educação a Distância (Universidade Federal Fluminense). Graduada em Ciências Sociais (USP) e em Pedagogia (Universidade Federal de São Carlos). Professora e pesquisadora da área de Ciências Sociais e da Pós-graduação em Educação Básica e Profissional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS). Foi especialista externa do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais do Ministério da Educação (Inep / MEC), colaboradora do Banco Nacional de Itens (BNI/MEC), membro da equipe de avaliadores do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) de Sociologia, consultora da Unesco na avaliação dos cursos do Programa Nacional de Formação Continuada em Tecnologia Educacional (Proinfo Integrado), analista educacional do Serviço Social da Indústria (SESI-SP) e docente da Escola de Formação de Professores da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo e da Fundação Herminio Ometto. Atua, principalmente, com os seguintes temas: movimentos sociais, ensino de Ciências Sociais e educação profissional.

Citas

Abramovay, R. (2011). Para uma teoria do desenvolvimento territorial. Florianópolis, SC: UFSC.

Amaral, J. F. (2001). A endogeneização no desenvolvimento econômico regional e local. Planejamento e Políticas Públicas, Brasília, nº 23, p. 261-286.

Bardin, L. (2022). Análise de conteúdo. Lisboa, PT: Edições 70.

Boudeville, J. (1973). Os espaços econômicos. São Paulo, SP: Difusão Europeia do Livro.

Bourdieu, P. (1983). O campo científico. In R. Ortiz (Org.). Pierre Bourdieu: Sociologia (Grandes cientistas sociais, 39, pp. 122-155). São Paulo, SP: Ática.

Bourdieu, P. (2004). Os usos sociais da ciência. São Paulo, SP: Unesp.

Buitelaar, R. (2000). Cómo crear competitividad colectiva? Santiago: Cepal.

Catálogo Nacional de Cursos Técnicos da Rede Federal. (n. d.). Ministério da Educação. Recuperado de http://cnct.mec.gov.br/lista-de-termos

Chamada pública MEC/SETEC nº 001 (2007). Chamada pública de propostas para apoio ao Plano de Expansão da Rede Federal de Educação Tecnológica (Fase 2). Brasília, DF: SETEC/MEC.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 (1988). Brasília, DF. Recuperado de https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Costa, P. & Marinho, R. (2018). Educação profissional e tecnológica brasileira reinstitucionalizada: uma revisão geral dos embates sobre a aprovação dos Institutos Federais. In G. Frigotto (Org.), Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: relação com o ensino médio integrado e o projeto societário de desenvolvimento (pp. 63-81). Rio de Janeiro, RJ: UERJ, LPP.

Cunha, L. A. (2005). O ensino de ofícios nos primórdios da industrialização. São Paulo, SP: Unesp.

Dagnino, E., Oliveira, A. J., & Panfichi, A. (2006). Para uma outra leitura da disputa pela construção democrática na América Latina. In E. Dagnino, A. Oliveira, A. Panfichi, A. (Orgs.), A disputa pela construção democrática na América Latina. São Paulo, SP: Paz e Terra.

Decreto nº 6.095 de 24 de abril de 2007 (2007). Estabelece diretrizes para o processo de integração de instituições federais de educação tecnológica, para fins de constituição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia – IFET, no âmbito da Rede Federal de Educação Tecnológica. Brasília, DF. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/2007/decreto-6095-24-abril-2007-553446-publicacaooriginal-71368-pe.html

Decreto nº 60.731, de 19 de maio de 1967. Transfere para o Ministério da Educação e Cultura os órgãos de ensino do Ministério da Agricultura e dá outras providências.

Endlich, A. M. (2009). Pensando os papéis e significados das pequenas cidades. São Paulo, SP: Unesp.

Exposição de Motivo Interministerial nº 00118/2008/MP/MEC, de 19 de junho de 2008 (2008). Brasília, DF. Recuperado de https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/projetos/EXPMOTIV/EMI/2008/118%20-%20MP%20MEC.htm

Fligstein, N. (2001). Social skill and the theory of fields. Sociological Theory, 19(2), 105-125. Recuperado de https://doi.org/10.1111/0735-2751.00

Frigotto, G. (2018). Indeterminação de identidade e reflexos nas políticas institucionais formativas dos Institutos Federais. In G. Frigotto (Org.), Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: relação com o ensino médio integrado e o projeto societário de desenvolvimento (pp. 125-150). Rio de Janeiro, RJ: UERJ, LPP.

Frigotto, G., Ciavatta, M., & Ramos, M. (2005). A política de educação profissional no governo Lula: um percurso histórico controvertido. Educação e Sociedade, Campinas, 26(92), 1087-1113. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0101-73302005000300017

Hirscman, A. (1984). A dissenters confession: the strategy of economic development revisited. In G. Meier, D. Seers (Ed.), Pioneers in development. Oxford: Oxford University Press.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Censos 2010. População no último censo de 2010, Brasil. Recuperado de https://censo2010.ibge.gov.br/

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (n. d.) Munic: Pesquisa de informações básicas municipais. Recuperado de https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/saude/10586-pesquisa-de-informacoes-basicas-municipais.html

Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). (1992). Arranjos produtivos locais. http://www.inmetro.gov.br/apls/eventos/conferencias-apl.asp

Krugman, P. (1992). Geografia y comercio. Barcelona: Antonio Bosch.

Legislação (n.d.). Brasília: Presidência da República. Brasília, DF. Recuperado de https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/

Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. (2008). Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado de https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm

Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. (2014). Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Brasília, DF.

Lei nº 8.948, de 8 de dezembro de 1994. (1994). Dispõe sobre a instituição do Sistema Nacional de Educação Tecnológica e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado de https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8948.htm

Maillat, D. (1995). Milieux Innovateurs et Dynamique Territorial. In Rallet, A.; Torre, A. Économie Industrielle et Économie Spatiale. Paris: Economica.

Marconi, M. A., Lakatos, E.M. (2015). Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Marinho, R; Costa, P. (2013) Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: educação profissional e tecnológica brasileira reinstitucionalizada. Anais do Colóquio Nacional a Produção do Conhecimento em Educação Profissional, Instituto Federal do Rio Grande do Norte, 2013.

Ministério da Educação (2007). Anais e deliberações da 1ª Conferência Nacional de Educação Profissional e Tecnológica, 1ª, 2006. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Profissional Tecnológica.

Ministério da Educação (n.d.). Instituições da Rede Federal. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/rede-federal-inicial/instituicoes

Myrdal, G. (1968). Teoria econômica e regiões subdesenvolvidas. Rio de Janeiro, RJ: Saga.

Nabatchi, T., Sancino, A., & Sicilia, M. (2017). Varieties of participation in public services: The who, when, and what of coproduction. Public Administration Review, 77(5), 766-776. Recuperado de https://doi.org/10.1111/puar.12765

Nascimento, M., Cavalcanti, C., & Ostermann, F. (2020). Dez anos de instituição da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica: o papel social dos institutos federais. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 101(257), 120-145. Recuperado de https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.101i257.4420

Neuhold, R. R., & Pozzer, M. R. O. (2023). Covid-19, cierre de escuelas y enseñanza remota:el tiempo de respuesta de los sistemas de educación brasileños. Íconos. Revista de Ciencias Sociales, (76), 55-75. Recuperado de https://doi.org/10.17141/iconos.76.2023.5719

North, D. (1977). Teoria da localização e crescimento econômico regional. In Schwartzman, J. Economia regional: textos escolhidos. Belo Horizonte, MG: CEDEPLAR/ CETREDE-MINTER.

Pacheco, E. (2011). Os Institutos Federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. Brasília, São Paulo, SP: Fundação Santillana, Moderna.

Perroux, F. (1978). O conceito de pólo de crescimento. In E. Faissol (Org). Urbanização e regionalização. Brasília, DF: Secretaria de Planejamento da Presidência da República.

Piore, M. J. & Sabel, C. F. (1990). La segunda ruptura industrial. Madrid: Alianza.

Plano de Expansão da Rede Federal de Educação Tecnológica (Fase 1) (2005). Brasília, DF: Ministério da Educação.

Plataforma Nilo Peçanha 2021 (ano base 2020). (2021). Brasília, DF. Recuperado de https://public.tableau.com/app/profile/cgpg/vizzes

Portaria Interministerial nº 200, de 2 de agosto de 2004 (2004). Diário Oficial da União, 3 de agosto de 2004. Brasília, DF.

Porter, M. E. (1993). A vantagem competitiva das nações. Rio de Janeiro, RJ: Campus.

Pozzer, M. R. O., & Neuhold, R. R. (2019). A educação profissional no Brasil: a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (1909-2018). In M. Pozzer & R. Neuhold (Org.), O contexto da educação técnica na América Latina e os dez anos dos Institutos Federais (2008-2018) (cap. 2, pp. 23-47). Maceió: Café com Sociologia.

Putnam, R. (2006). Comunidade e democracia: a experiência da Itália moderna. Rio de Janeiro, RJ: Editora FGV.

Sachs, I. (1993). Estratégias de transição para o século XXI: desenvolvimento e meio ambiente. São Paulo, SP: Nobel.

Santos, D. et al. (2020). O lugar da educação profissional e tecnológica na reforma do ensino médio em contexto Brasileiro: da lei 13.145/2017 à BNCC. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, 19(2). Recuperado de https://doi.org/10.15628/rbp.2020.9488

Santos, J. A. (2015). A política de expansão da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica: quais são as perspectivas para a nova territorialidade e para a nova institucionalidade? In G. Frigotto, (Coord.), Ofertas formativas e características regionais: a educação básica de nível médio no Estado do Rio de Janeiro. Relatório de Pesquisa apresentado à FAPERJ.

Santos, J. A. (2016). A trajetória da educação profissional. In E. M. Lopes, L. M. Faria Filho; C. G. Veiga (Orgs). 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Sen, A. (2010). Desenvolvimento como liberdade. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Souza, M. S. (2019). Os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia como vetores de desenvolvimento no estado do Rio de Janeiro: a perspectiva de gestores de unidades. Espaço e Economia, (14), 1-17.

Stockmann, R. (2019). Wirkungen und Erfolgsfaktoren der deutschen Berufsbildungszusammenarbeit. In Gessler, M., Fuchs, M. & Pilz, M. (Eds) Konzepte und Wirkungen des Transfers Dualer Berufsausbildung. Internationale Berufsbildungsforschung. Springer VS, Wiesbaden.

Urbano, H. E. (2014). Processo legislativo e qualidade das leis: análise de três casos brasileiros. Revista Jurídica do Ministério Público do Estado do Paraná, (1), 123-158.

Webster, F. (2004). Desafios globais e respostas nacionais na era da informação. In J. M. P. Oliveira, J. J. B. (Org), Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação. Lisboa, PT: Quimera Editores.

Wiriadidjaja, A., Andriasanti, L. & Jane, A. (2019). Indonesia-German Cooperation in Vocational Education and Training. Journal of Local Government Issues, Logos, 2(2). Recuperado de https://doi.org/10.22219/logos.Vol2.No2.178-192

Wolfram, M. & Frantzeskaki, N. (2016). Cities and systemic change for sustainability: prevailing epistemologies and an emerging research agenda. Sustainability, 8(2), 1-18.

Publicado

2024-03-05

Cómo citar

Pozzer, M. R. O. ., & dos Reis Neuhold, R. (2024). El desarrollo regional como eje estructural de los Institutos Federales de Educación, Ciencia y Tecnología. Prometeica - Revista De Filosofía Y Ciencias, 29, 41–82. https://doi.org/10.34024/prometeica.2024.29.15280
Recibido 2023-07-01
Aceptado 2023-11-23
Publicado 2024-03-05

Artículos similares

> >> 

También puede {advancedSearchLink} para este artículo.