Reporte de experiencia a través de experiencias profesionales y la inserción de la espiritualidad en cuidados paliativos

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.34024/prometeica.2024.29.16258

Palabras clave:

religión, espiritualidad, equipo de asistencia al paciente, cuidados paliativos

Resumen

El equipo de Enfermería es privilegiado, ya que es el cuidador quien permanece las 24 horas del día, brindando asistencia directa al paciente, pudiendo tener una visión ampliada de la persona en el proceso de enfermedad, teniendo la oportunidad de incorporar y desarrollar los principios de Cuidados Paliativos (CP). Desde una perspectiva holística de la salud, la religión/religiosidad/espiritualidad es una de las posibilidades de atención y gestión, pero aún es en gran medida desatendida por los profesionales de la salud, ya sea por desconocimiento o por prejuicios y tabúes, pero que se vuelve esencial en el cuidado de Pacientes de CP. A través de este relato de experiencia, se pretende resaltar la importancia de la religión/religiosidad/espiritualidad, en el cuidado y manejo de pacientes en AP, a partir de la experiencia de una profesional de enfermería, su práctica en la atención y docencia, supervisando estudiantes con pacientes en el contexto de la PC. Años de acompañamiento en la práctica a estudiantes demostraron que los profesionales de enfermería tienen dificultades para identificar el Sufrimiento Espiritual (ES) de los pacientes, y cuando lo hacían, no sabían qué hacer con esa demanda, delegándola en otros profesionales del equipo, que también tenían dificultades. , provocando (falta de) atención en la Dimensión Espiritual (ED) del paciente con CP, trayendo más sufrimiento y malestar con su finitud. Como resultado de estas reflexiones, se desarrollan investigaciones posdoctorales, encaminadas a identificar los TCA y construir un guión de educación permanente. En resumen, estos profesionales, al tener la formación para identificar EE, explorar y atender los TCA, podrán promover la protección de la salud mental, tanto del paciente en AP como de ellos mismos, y convertirse en profesionales más sensibles en la finitud.

Métricas

Cargando métricas ...

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Janaina Luiza dos Santos, Universidade Federal Fluminense

Professora e Pesquisadora Adjunta da Universidade Federal Fluminense (UFF/RO), Ministra aula nas Disciplinas de Enfermagem na Saúde do Adulto e Idoso e nas Disciplinas Optativas a Tanatologia os Cuidados Paliativos na Pluralidade do Ser Humano e Bioética em Enfermagem. Pós-doutoranda UFRJ Instituto de Estudos em Saúde Coletiva (2023/2024) versando a temática dos Cuidados Paliativos e a Espiritualidade. Doutora em Ciências da Saúde pelo Departamento de Enfermagem Psiquiátrica e Ciências Humanas da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, EERP - USP (2013). Lecionou na Universidade Estácio de Sá (2016 até 1/2018), campus de Nova Friburgo no curso de Enfermagem. Lecionou como Professora Dedicação Exclusiva do Departamento de Medicina da UNICESUMAR - PR (2013 até 2015). Mestre em Ciências da Saúde pelo Departamento de Enfermagem Psiquiátrica e Ciências Humanas da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto EERP - USP (2010). Membro Efetivo do Grupo de Pesquisa CAESOS - DEPCH - EERP/USP; Também do Grupo de pesquisa Expressões Multi-referenciais do Cuidar em Saúde, Sociedade e Enfermagem - EXPENF Departamento de Enfermagem de Rio das Ostras/UFF e Grupo de Pesquisa em espiritualidade e Saúde/ IESC-UFRJ. Graduada em Enfermagem pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ (1999). Foi Residente em Enfermagem especialidade Clínica Cirúrgica no Hospital Universitário Pedro Ernesto HUPE/UERJ (1999/2001). Trabalhou na emergência extra-hospitalar no SAMU/ RJ e emergência intra-hospitalar no Barra D'Or. Coordenadora da Liga Acadêmica LAPICS-UFF, e Coordenadora do Projeto de Extensão CINECLUBE da MORTE. Experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Saúde do adulto, atuando principalmente nos seguintes temas: Morte e Morrer, Cuidados Paliativos, LUTO, Enfermagem Educacional, Emergência e Emergências Psiquiátricas.

Alexandre Diniz Breder, Secretaria de Saúde de Nova Friburgo

Pós-Doutorando em Saúde Coletiva pelo IESC/UFRJ. Mestre em Defesa e Segurança Civil pela UFF. Bacharelado em Enfermagem pela Universidade Estácio de Sá. Possui as seguintes pós-graduações lato-sensu: Técnico Básico en Gestión Integral del Riesgo pela ENAPROC-MÉXICO. Gestão de Emergências em Saúde Pública pelo SÍRIO LIBANÊS. Vigilância em Saúde Ambiental pela UFRJ. Enfermagem do Trabalho pela UNISUAM, Enfermagem intensivista de alta complexidade pela GAMA FILHO. Responsável pela implantação do projeto de vigilância a população exposta a agrotóxicos - Nova Friburgo-RJ. Tem interesse pelas áreas de Saúde Pública, Saúde Coletiva, Segurança do trabalho, Saúde do trabalhador, Terapia Intensiva, Emergência Pré-hospitalar e Intra-hospitalar, Defesa Civil, salvamento, Ciências Biológicas, Ciências Ambientais e Docência.

Irene Bulcão, Universidade Federal Fluminense

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal Fluminense (1997), mestrado em Psicologia pela Universidade Federal Fluminense (2001) e doutorado em Psicologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2006). Atualmente é professora adjunta do Curso de Psicologia do Polo Universitário de Rio das Ostras da Universidade Federal Fluminense. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Social, atuando principalmente nos seguintes temas: história da psicologia, políticas públicas, produção de subjetividade, exclusão social, psicologia, criança e adolescente e infância.

Ana Carolina Ferreira Castanho, Mestrado Profissional em Práticas Institucionais em Saúde Mental e Graduação em Psicologia da Universidade Paulista

Professora Titular do Mestrado Profissional em Práticas Institucionais em Saúde Mental da Universidade Paulista UNIP, campus Ribeirão Preto. Professora Titular da Universidade Paulista – UNIP, área de Ciências Humanas, curso de Psicologia do campus de Ribeirão Preto. Experiência em Psicologia Comunitária, Desenvolvimento Humano e Violência. Desenvolveu grupos sócio educativos em comunidades, atuou como psicóloga institucional em instituição de acolhimento para crianças e adolescentes em situação de risco e vulnerabilidade social, desenvolvendo trabalhos de reintegração familiar, grupo de pais e acompanhamento. Doutora em Ciências, na área de Enfermagem Psiquiátrica, pela Escola de Enfermagem - Universidade de São Paulo USP - Ribeirão Preto (2019) , Especialista em Intervenção Familiar: Psicoterapia e Orientação Sistêmica pela Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto FAMERP - (2006). Possui graduação em Psicologia pela Universidade Paulista - UNIP (2004).

Lilian Claudia Ulian Junqueira, Mestrado Profissional em Práticas Institucionais em Saúde Mental e Graduação em Psicologia da Universidade Paulista

Psicóloga (2004) Mestre (2008) e Doutora (2014) pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto- USP.  Psico-oncologista (2007) pelo IRPCC. Especialista em práticas clínicas na abordagem fenomenológico-existencial pelo IFEN (2021). Psicóloga hospitalar (2005 -2007) no Hospital Beneficência Portuguesa – Imaculada Conceição. Docente permanente do Programa de Mestrado Profissional em Práticas Institucionais em Saúde Mental da Universidade Paulista – UNIP e da Graduação em Psicologia - UNIP. Psicóloga e Supervisora Clínica em estágios curriculares desde 2005. Possui experiência como docente nas áreas Clínica e Institucional em grupos- Abordagem Fenomenológico-Existencial e Supervisão de estágio em psicoterapia individual e grupos, hospitalar, plantão psicológico e saúde mental. Experiência em consultório com psicoterapia individual e casal, adolescentes, adultos, idosos e Cuidados Paliativos. Linha de pesquisa: Envelhecimento, Morte e Luto no ciclo vital. Autora e parecerista de artigos na temática da Psicologia da Saúde.

Ana Claudia Moreira Monteiro, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professora Adjunta do Departamento Materno Infantil (DEMI) subárea de saúde da criança  e Pesquisadora da Faculdade de Enfermagem da  Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Ministra aulas na graduação e pós-graduação em Enfermagem Neonatal e Pediátrica nos moldes de Residência  nas Disciplinas de Enfermagem na Saúde da Criança, coordenadora do 9º período Internato em Enfermagem,  trabalha a  temática dos Cuidados Paliativos em Pediatria e Neonatologia. . Doutora em Enfermagem pelo PPGENF-UERJ (2018). Lecionou na Universidade Estácio de Sá (2012 até 2022), campus de Nova Friburgo, Petrópolis, Niterói e Macaé  no curso de Enfermagem. Presencial e EAD, e na pós-graduação em Enfermagem Pediátrica e Neonatal onde atuou como coordenadora. Mestre em Enfermagem pelo PPGENF-UERJ (2012)  Membro Efetivo do Grupo de Pesquisa GRUPESP DEMI-FENF-UERJ. Graduada em Enfermagem pela Universidade  Estadual de Londrina-PR (1997). Foi Residente em Enfermagem em Pediatria no IFF- FIOCRUZ, Especialista em Enfermagem Neonatal pela UERJ e Especialista em Enfermagem em Oncologia pelo INCA. Trabalhou na UTI Neonatal no Hospital Barra D'Or, UTI Neonatal da Maternidade Municipal Carmela Dutra-SMS-RJ, Serviço de Hemoterapia da Gávea, Coordenação de Enfermagem da UTI Pediátrica e Neonatal do Hospital Dr Badin, CTI Pediátrico e Hematologia Pediátrica do INCA, e Colaboradora do Projeto de Extensão CINECLUBE da MORTE, coordenadora do Projeto de Extensão ALEGRIA CONTAGIA DEPEXT- UERJ. Tem Experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Saúde da Criança, atuando principalmente nos seguintes temas: Morte e Morrer em Pediatria , Cuidados Paliativos em Pediatria e Neonatologia, Enfermagem Educacional, Emergências Pediátricas, Oncologia Pediátrica, Hematologia Pediátrica e Neonatologia.

Márcia Gomide da Silva Mello, Universidade Federal Rio de Janeiro

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Federação das Faculdades Celso Lisboa (1983), mestrado em Ciências Biológicas (Zoologia) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1990), especialização em Paleopatologia pelo Museu Nacional e FIOCRUZ (1991) e Ecologia Humana pela ENSP-FIOCRUZ (1993); doutorado em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz (1999) e pós-doutorado na Université Toulouse II Le Mirail, França e Pós-doutorado em Saúde (área Psiquiatria), pela UFJF 2020 Professora Associada IV da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Medicina, Departamento de Medicina Preventiva e IESC. Atualmente desenvolve pesquisas utilizando a teoria de Análise de Redes Sociais aplicada às linhas de Pesquisa Saúde Ambiental e Saúde Mental relacionadas ao bem-estar, transtornos depressivos e luto. As investigações direcionaram-se ao campo da avaliação de programas e outros contextos do processo saúde-doença a partir da influência das relações interpessoais. Visam compreender a relação entre saúde e contexto ambiental na perspectiva de colaborar com a qualidade e eficiência dos programas de saúde.

Citas

Alexander, D. R. (2007). Modelos para relacionar ciência e religião. Faraday Paper, 3, 1–4. Recuperado de https://www.faraday.cam.ac.uk/wp-content/uploads/resources/Faraday%20Papers/Faraday%20Paper%203%20Alexander_PORT.pdf

Blaber, M., Jone, J., & Willis, D. (2015). Cuidado spiritual: Qual o melhor instrument de avaliação para ambientes paliativos? International Journal Palliative Nursing, 21(9), 430–438. https://doi.org/10.12968/ijpn.2015.21.9.430

BRASIL. (2018). Resolução nº 41, de 31 de outubro de 2018. Dispõe sobre as diretrizes para a organização dos cuidados paliativos, à luz dos cuidados continuados integrados, no âmbito Sistema Único de Saúde (SUS). Ministério da Saúde/Gabinete do Ministro/Comissão Intergestores Tripartite. Recuperdo dehttps://www.in.gov.br/web/guest/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/51520746/do1-2018-11-23-resolucao-n-41-de-31-de-outubro-de-2018-5152071

BRASIL. (2012) Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Recuperado de https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Collins, F. S. (2006). A linguagem de Deus, São Paulo: Gente, 2006.

Clark, D. (2018) Cicely S. A life and legacy. Oxford: Oxford University Press.

DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO (2022). Ministério da Educação/Conselho Nacional de Educação. RESOLUÇÃO CNE/CES 3, DE 3 DE NOVEMBRO DE 2022. Recuperado de https://www.in.gov.br/web/dou/-/resolucao-cne/ces-3-de-3-de-novembro-de-2022-441681885

Esperandio, M., & Leget, C. (2020). Espiritualidade nos cuidados paliativos: Questão de saúde pública? Revista Bioética, 28(3). https://doi.org/10.1590/1983-80422020283419

Figueiredo, N. (2019). Sobre a definição de religião: Historiografia, críticas e possibilidades. REVER: Revista de Estudos da Religião,19(2), 271–295.https://doi.org/10.23925/1677-1222.2019vol19i2a15

Frossard, A. G. D. S., Fonseca, D.,Souza, L. J. de O., & Alvarez, M. M. R. (2020). Dor social e serviço social no contexto brasileiro. In SciELO Preprints. https://doi.org/10.1590/SciELOPreprints.1064

Gomide, M., & Moreira-Almeida, A. (2022). Religiosidade/Espiritualidade na produção científica da Saúde Coletiva brasileira: Pinanorama e perspectivas. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento, 11(11), e13111133485. https://doi.org/10.33448/rsd-v11i11.33485

Gould, J. (2002). Rock of ages: science and religion in the fullness of life. New York: Ballantine Books, 2002.

Guimarães, T. B., & Magni, C. (2020). Reflexões sobre a humanização do cuidado na presença de uma doença ameaçadora da vida. Mudanças, 28(1), 43–48. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-32692020000100006&lng=pt&tlng=pt

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Instituto Nacional de Câncer (INCA) (2022). A avaliação do paciente em cuidados paliativos. Cuidados Paliativos na Prática Clínica, 1. Recuperado de https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//completo_serie_cuidados_paliativos_volume_1.pdf

International Association For Hospice Palliative Care (IAHPC) (2018). Global consensus-based palliative care definition [Internet]. Houston: IAHCP; Translation to Portuguese (Brazilian) by Cristiane Terz, Danielle Soler, Fernando Kawai, Helloisa Brogiatto João Batista Garcia, Lauren C. M. Provin, Luciana Messa, and Morgana Matos. Recuperado de https://bit.ly/3j1oyIt

Jesus, G. T. de., Freitas, F. G., Bispo, D. B. S., Pereira, J. V., Gomes, R. V., & Araujo, L, M, B. (2023). O papel da espiritualidade no contexto dos cuidados paliativos. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento, 12(1), e19812139531. https://doi.org/10.33448/rsd-v12i1.39531

Kovács, M. J. (2014). Cuidando do cuidador profissional: O sofrimento da equipe de saúde no contexto hospitalar. In Bioética, cuidado e humanização: sobre o cuidado respeitoso. (2), 247–263. São Paulo: Centro Universitário São Camilo.

Kubler-Ross, E. (2017). Sobre a morte e o morrer. 10ª Ed. São Paulo, Martins Fontes.

Lima, C. P., & Machado, M. A. (2018). Cuidadores principais ante a experiência da morte: Seus sentidos e significados. Psicologia: Ciência e Profissão, 38(1), 88–101. https://doi.org/10.1590/1982-3703002642015

Marques, T. C. S., & Pucci, S. H. M. (2021). Espiritualidade nos cuidados paliativos de pacientes oncológicos. Psicologia USP, 32. e200196. https://doi.org/10.1590/0103-6564e200196

Montibeller, C. (2017). Questão Social e Serviço Social. Indaial: UNIASSELVI.

Oliveira, L. A. F. de., Oliveira, A. da L., & Ferreira, M. de A. (2021). Formação de enfermeiros e estratégias de ensino-aprendizagem sobre o tema da espiritualidade. Escola Anna Nery, 25(5), e20210062. https://doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2021-0062

Puchalski C. M., King, S. D. W. & Ferrell, B. R. (2018). Considerações espirituais. Clínicas de Hematologia/Oncologia da América do Norte, 32(3), 505–517.

https://doi.org/10.1016/j.hoc.2018.01.011

Rohden, H. (2007). A Mensagem Viva do Cristo. 2ª edição. São Paulo: Martin Claret.

Rodrigues, M. de L. F., & Gomide, M. (2020). Religiosidade e Espiritualidade na saúde ambiental, mental e coletiva: Um panorama por caminhos virtuais. Vittalle – Revista De Ciências Da Saúde, 32(3), 202–213. https://doi.org/10.14295/vittalle.v32i3.11256

Santos, J. L. dos., Santos, F. A. dos, Azevedo, D. P. G. D. de, Gonçalves, M. A., Gevú, K. S. S., Monteiro, A. C. M., Muniz, K. C. C., & Knupp, V. M. de A. O. (2021). Percepção dos médicos de uma sala de emergência sobre a assistência ao paciente fora de possibilidade de cura. Gerenciamento de Serviços de Saúde e Enfermagem. 103–113. https://doi.org/10.22533/at.ed.659210902

Silva, L. A. da., Pacheco, E. I. H., & Dadalto, L. (2021). Obstinação terapêutica: Quando a intervenção médica fere a dignidade humana. Revista Bioética, 29(4), 798–805. https://doi.org/10.1590/1983-80422021294513

Soares, A. M. (2023). Entre a Lucidez e a Esperança. 1ª Edição. Rio de Janeiro: Sextante.

Stein, M. (2020). Jung e o caminho da individuação: Uma introdução concisa. Tradução Euclides Luiz Calloni. São Paulo: Cultrix. Recuperado de https://www.grupopensamento.com.br/download-arquivo/8479/15977691065973.pdf

Stroppa, A., & Moreira-Almeida, A. (2008). Religiosidade e Saúde. Saúde e Espiritualidade: Uma nova visão da medicina. 427–443

Publicado

2024-03-05

Cómo citar

dos Santos, J. L., Diniz Breder, A., Bulcão, I., Ferreira Castanho, A. C., Ulian Junqueira, L. C., Moreira Monteiro, A. C., & da Silva Mello, M. G. (2024). Reporte de experiencia a través de experiencias profesionales y la inserción de la espiritualidad en cuidados paliativos. Prometeica - Revista De Filosofía Y Ciencias, 29, 307–319. https://doi.org/10.34024/prometeica.2024.29.16258

Número

Sección

Artículos - Dosier

Artículos similares

> >> 

También puede {advancedSearchLink} para este artículo.

Artículos más leídos del mismo autor/a