Percepções sobre a Mata Atlântica de estudantes da educação básica em Santa Cruz Cabrália (BA)

Autores

  • Nárrima Maria Campos Lima Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade
  • Cristiana Saddy Martins Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade
  • Suzana Machado Padua Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade
  • Zysman Neiman Universidade Federal de São Paulo, Diadema/SP https://orcid.org/0000-0003-4076-2934

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2024.v19.16144

Palavras-chave:

Mata Atlântica, Biodiversidade, Educação Ambiental, Percepções, Representações

Resumo

Este trabalho de pesquisa teve como objetivo verificar como estudantes do Ensino Fundamental II de duas escolas municipais de Santa Cruz Cabrália (BA) percebem e representam o bioma Mata Atlântica no qual estão inseridos. A coleta de dados foi realizada por meio da elaboração de desenhos livres e textos sobre o que pensam quando se fala em Mata Atlântica. Os desenhos e textos foram submetidos a um processo de análise qualitativa, buscando verificar se a área de residência e estudo – urbana e rural – influencia na percepção dos estudantes. Os resultados apontam que os estudantes conseguem relatar minimamente os elementos de um bioma florestal, mas não apresentaram aprofundamento de espécies e ou relações existentes nos ecossistemas.  No entanto, quanto ao sentimento de pertencimento e/ou afeto ou mesmo a relação entre as ações antrópicas e a mata representada, o resultado auferido principalmente nos textos, não indica claramente essa relação dos alunos com o meio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Zysman Neiman, Universidade Federal de São Paulo, Diadema/SP

Doctorado en Psicología (Psicología Experimental con investigación en Educación Ambiental) (2007), Doctorado en Ciencias Ambientales (2000-2004), Máster en Psicología (Psicología Experimental, con énfasis en Ecología del Comportamiento) (1991), Licenciado en Ciencias (1986), Licenciado en Biología (1986) y Licenciado en Ciencias Biológicas (1986), todos de la Universidad de São Paulo (USP). Es electrotécnico graduado de la Escuela Técnica Federal de São Paulo (ETFSP) y Técnico en Energía Nuclear por el Instituto de Investigación de Energía y Nuclear (IPEN). Actualmente es investigador y profesor asociado en el Departamento de Ciencias Ambientales de la Universidad Federal de São Paulo (Unifesp), donde fue coordinador (2014-2016) y se desempeña como maestro en el curso de Licenciatura en Ciencias Ambientales. Es investigador y profesor en el Programa de Postgrado en Análisis Ambiental Integrado - PPGAAI, y en el Programa de Postgrado en Enseñanza de Ciencias y Matemáticas - PECMA, ambos en el campus Diadema de Unifesp. Es coordinador del Comité para apoyar la implementación del Instituto de Ciudades - Zona Este del Campus Unifesp. Tuvo un gran desempeño como Educador en Enseñanza de Ciencias y Biología (1985-1996). Fue Profesor Adjunto en la Universidad Federal de São Carlos (UFSCar) con sede en el Centro de Ciencia y Tecnología para la Sostenibilidad (CCTS), donde coordinó el Laboratorio de Ecología, Percepción y Educación Ambiental - LEPEA. Fue Coordinador Adjunto, profesor e investigador del Programa de Posgrado en Sostenibilidad en Gestión Ambiental - PROSGAM-UFSCar. También ha trabajado en el Programa de Posgrado en Educación de CCTS - UFSCar y es colaborador del Programa de Posgrado en Conservación de la Biodiversidad y Desarrollo Sostenible en la Escuela de Conservación y Sostenibilidad Ambiental (ESCAS). Fue elegido miembro del Comité Interinstitucional de Educación Ambiental del Estado de São Paulo (CIEA-SP). Se desempeñó como Presidente del Instituto Physis - Cultura y Medio Ambiente, es líder de la Red de Acción Política para la Sostenibilidad (RAPS) y es Director de la Sociedad Brasileña de Ecoturismo (SBEcotur). Fue uno de los escritores del tema transversal "Medio ambiente", de los Parámetros Curriculares Nacionales (PCN) para la Escuela Primaria de MEC (1998). Es autor de varios libros en el área de Ecología, Educación, Medio Ambiente y Sostenibilidad, y es Editor en Jefe de la Revista Brasileña de Ecoturismo (Qualis B1) y la Revista Brasileña de Educación Ambiental (Qualis B2). Tiene experiencia en educación ambiental, actuando en los siguientes temas: sostenibilidad, políticas públicas, educación ambiental, ecoturismo, ética y medio ambiente, ecología humana, unidades de conservación, tercer sector y ambientalismo.

Referências

ALVARO, M. et al. “A máscara salva”: representações sociais da pandemia de covid-19 por meio dos desenhos de crianças cariocas. Saúde e Sociedade, v. 30, p. e210328, 2021.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2016.

BRASIL, Ministério do Meio Ambiente. Educação Ambiental por um Brasil Sustentável: PRONEA, marcos legais e normativos. Brasília/DF: MMA/MEC, 2018. Disponível em Programa Nacional de Educação Ambiental (ProNEA). Acesso em 13 nov. 2013.

CERQUEIRA NETO, S. P. G; SILVA, L. T. Caminhos de Geografia. UFU. 2015.

COELHO, I.M.A.; SILVA, F.A.R. Elaboração e aplicação de RPG didático como proposta para o ensino de biomas brasileiros. Revista eletrônica Ludus Scientiae - (RELuS) | v. 4, n. 1, jan./jul. 2020.

DIAS, G.F. Educação Ambiental: Princípios e Práticas. São Paulo. Editora Gaia, 1992.

DURKHEIM, E. As Regras do Método Sociológico. Tradução Paulo Neves; revisão da tradução Eduardo Brandão. Editora Martins Fontes. 3ª edição. 2007.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Senso demográfico, 2022. Disponível em: <https://censo2022.ibge.gov.br/panorama/>. Acesso em 07 dez 2023.

INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Resultados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica: 2019 -: resumo técnico. Disponível em < https://www.gov.br/inep/pt-br/imagens/acervo-linha-editorial/CensodaEducao.png/view>. Acesso em 07 dez 2023.

JODELET, D. Representações sociais: um domínio em expansão. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2002.

MAFORT, M.; MIRANDA, J.C. Representações sociais do meio ambiente para estudantes do Projeto Educação Integral Integrada da Unidade Escolar José Bittencourt de Souza, Estrela Dalva-MG. Revista Educação Ambiental em Ação, n.69, ano 18, 2019.

MIRANDA, M. H. G. Representações sociais da morte construídas por crianças do ensino fundamental I e suas implicações no ensino de ciências. Tese de doutorado. Universidade de Brasília. 2022

MOSCOVICI, S. A Representação Social da Psicanálise. Zahar Editores. Rio de Janeiro, 1981.

MOSCOVICI, S. Representações Sociais. Investigações em Psicologia Social. Editora Vozes, 2013.

MOTA, H. O que é IDH? Brasil Escola. Disponível em: <https://brasilescola.uol.com.br/o-que-e/geografia/o-que-e-idh.htm>. Acesso em 26 de março de 2023.

NAIME, R. Impactos Ambientais dos Eucaliptos. Eco debate. 11 ago. 2017. Disponível em: <https://www.ecodebate.com.br/2017/08/10/impactos-ambientais-dos-eucaliptos-artigo-de-roberto-naime/>. Acesso em: 04 maio 2023.

NATIVIDADE, M.R.; COUTINHO, M.C.; ZANELLA, A.V. Desenho na pesquisa com crianças: análise na perspectiva histórico-cultural. Contextos Clínicos. São Leopoldo, v. 1, n. 1, p. 9-18, jun. 2008.

PÁDUA, S.M., TABANEZ, M.F., SOUZA, M.G. A abordagem participativa na educação para a natureza. In: CULLEN JR., L., VALLADARES-PADUA, C., RUDRAN, R. (org.). Métodos de estudo em biologia da conservação e manejo da vida silvestre. Ed. da UFPR e Fundação O Boticário de Apoio a Natureza Curitiba, 2003, p.667.

PEDRINI, A.; COSTA, É. A.; GHILARDI, N. Percepção ambiental de crianças e pré-adolescentes em vulnerabilidade social para projetos de Educação Ambiental. Ciência & Educação (Bauru), v.16, n.1, pp.163–179, 2010.

NATIVIDADE, M.R.; COUTINHO, M.C.; ZANELLA, A.V. Desenho na pesquisa com crianças: análise na perspectiva histórico-cultural. Contextos Clínicos. São Leopoldo, v. 1, n. 1, p. 9-18, jun. 2008.

OLIVEIRA, L. NEIMAN, Z. Educação Ambiental no Âmbito Escolar: Análise do Processo de Elaboração e Aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 15, n. 3, p. 36–52, 2020.

PMMA - Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica de Santa Cruz Cabrália. Bahia, 2016.

PORCINO, S.M.M. Entre a terra e o mar: Museu do Mangue e Revitalização da Praça do Cais – Prado - BA., 2022.

RICON, M. Conhecimento e afeto ecológico: antecedentes do consumo ecológico. 2010. Tese de Doutorado.

SÁ, C. P. Representações Sociais: o conceito atual da teoria. In: SPINK, M. J. P. (Org.). O conhecimento no cotidiano: as representações sociais na perspectiva da psicologia social. São Paulo: Brasiliense, 1995. p.19-45.

SCHWARZ, M.L.; SEVEGNANI, L. ANDRÉ, P. Representações da Mata Atlântica e de sua biodiversidade por meio dos desenhos infantis. Ciênc. educ. (Bauru), v.13, n.3, 2007.

SILVA, D. S.; SANTOS, J. M. DOS. Ecopercepções: Representações Sociais da Natureza no universo infantil. Educação, v.44, n.e26, pp.1–24, 2019.

SILVA, T.O.; SILVA, L.T.G. Os impactos sociais, cognitivos e afetivos sobre a geração de adolescentes conectados às tecnologias digitais. Rev. psicopedag., São Paulo, v. 34, n. 103, p. 87-97, 2017.

SORRENTINO, M. Educação Ambiental e a Universidade: um Estudo de Caso. Tese de Doutorado UFSC. São Paulo: 1995.

SPINK, M. J. P. The Concept of Social Representations in Social Psychology. Cad. Saúde Públ., Rio de Janeiro, v.9, n.3, pp.300-308, jul/sep, 1993.

WANDERSEE, J.H.; SCHUSSLER, E.E. Preventing Plant Blindness. The American Biology Teacher, v.61, n,2, p.82-82, 1998

PARIS, A.M.V.; ZIEGLER, T. M.; BIASUS, F.; ZAKRZEVSKI, S. B. B. Sentimento de pertencimento de estudanets à Mata Altântica: do desconhecimento à pouca afeição. Perspectiva (Erexim), v. 38, p. 33, 2014.

ZANINI, A.M.; VENDRUSCOLO, G.S.; MILESI, S.V., ZANIN, E.M.; ZAKRZEVSKI, S.B.B. Percepções de estudantes do sul do Brasil sobre a biodiversidade da Mata Atlântica. Interciencia, v.45, n.1, 2020, pp. 15-22

Downloads

Publicado

01-06-2024

Como Citar

Lima, N. M. C., Martins, C. S., Padua, S. M., & Neiman, Z. (2024). Percepções sobre a Mata Atlântica de estudantes da educação básica em Santa Cruz Cabrália (BA). Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 19(3), 44–67. https://doi.org/10.34024/revbea.2024.v19.16144

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2024-01-13
Aceito: 2024-04-01
Publicado: 2024-06-01

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 > >>